Home Mod. individuais Automobilismo

Historic Endurance 2022: Duas corridas imprevisíveis em Portimão

86
Iberian Historic Endurance 2022 - Portimão

O Historic Endurance disputou no fim de semana do Algarve Summer Party a sua primeira prova em solo português esta temporada. Após as passagens por Barcelona, Pau e Spa-Francorchamps, no Autódromo Internacional do Algarve (AIA), a maior competição de clássicos do sul da Europa voltou a proporcionar duas corridas animadas para pilotos e espectadores, em que o muito calor que se fez sentir foi um obstáculo ultrapassado pelas bem preparadas máquinas da competição organizada pela Race Ready.

Corrida 1 – Eduardo Davila vence em final dramático

Eduardo Davila venceu no final da tarde de sábado a primeira corrida de 50 minutos do Historic Endurance numa corrida que teve um final dramático.

Depois da sessão de qualificação, disputada pela manhã de sábado, em que Pedro Bastos Rezende (Porsche 911 3.0 RS) foi o mais rápido, 46 concorrentes fizeram-se ao asfalto do circuito que acolheu o último Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1 no final da tarde para uma corrida emotiva.

Pedro Bastos Rezende rapidamente se lançou na frente da corrida, mas a vantagem construída nos momentos iniciais dissipou-se à quarta volta com a necessidade de colocar em pista o Safety-Car para retirar um carro imobilizado numa posição de risco.

A entrada do carro de segurança foi decisiva nas estratégias das equipas, e quem soube aproveitar conseguiu subir na classificação e quem não teve a mesma felicidade perdeu posições.

Pedro Bastos Rezende parecia mais que capaz de repetir o duplo triunfo de Barcelona, até que a quatro voltas do término, problemas de motor no seu carro deixaram-no à mercê dos seus adversários, caindo para terceiro da geral e segundo da classe H-1976.

O piloto espanhol Eduardo Davila (Porsche 911 3.0 RS), que seguia também confortavelmente no segundo posto, aproveitou a oportunidade para ultrapassar o favorito e ser o primeiro a ver a bandeira de xadrez, triunfando também na classe H-1976, aonde o Porsche 911 3.0 RS de Bruno Duarte e Filipe Jesus completou o pódio.

Corrida 2 – Rezende desforra-se de De Tomaso

Com o seu Porsche ‘fora de combate’, Pedro Bastos Rezende teve que recorrer ao seu espectacular De Tomaso Pantera para a segunda corrida. Saindo do 43º lugar da grelha de partida, mesmo num dia em que as temperaturas era pouco convidativas a performances extremas, o De Tomaso Pantera foi subindo posições freneticamente até ao primeiro lugar.

Sem entrar em exageros, Pedro Bastos Rezende não abrandou o ritmo e cortou a linha de meta folgadamente no primeiro lugar, conquistando a vitória na classe H-1976.

Eduardo Davila foi o primeiro líder da corrida, mas acabaria por perder posições no desenrolar da disputa, vendo a bandeira axadrezada no quarto lugar e terceiro da classe H-1976.

Bruno Duarte e Filipe Jesus melhoraram face a sábado e o seu Porsche 911 3.0 RS terminou no segundo posto da classe H-1976, o melhor resultado da temporada para esta dupla.

H-1965: A lei do Mustang

Na mais internacional de todas classes, o holandês Harmen van Putten fez jus ao seu favoritismo e impôs o seu Shelby Mustang GT350 nas duas corridas, rodando sempre perto do grupo dos dez primeiros.

Se a primeira posição de Harmen van Putten nunca esteve em causa, já o mesmo não se pode dizer do segundo posto. Per-Ake Forsvall (Lotus Elan), um dos protagonistas da classe no Grande Prémio Histórico de Pau, levou a melhor na primeira corrida, enquanto a dupla Pieter Boel/Richard Rubbio (Iso Grifo A3C), foi a mais forte no segundo confronto.

GDS: Vitórias repartidas

Com um impressionante décimo primeiro lugar à geral, o campeão de Espanha de GT de 2009, Ricardo Bravo, ao volante de um Alfa Romeo GTA, triunfou na categoria Gentlamen Driver Spirit (GDS) na corrida de sábado, levando a melhor sobre os elegantes Porsche 911 SWB de Piero del Maso / João Carvalhosa e do francês Michel Mora.

A categoria que engloba todas as viaturas equipadas com motores até 1300cc e todos os carros de Turismo até 2000cc teve um vencedor diferente na corrida de domingo.

Problemas com o Alfa Romeo abriram a porta a outros protagonistas, com Michel Mora a vencer destacado e à frente de Piero del Maso / João Carvalhosa. João Neves e José Pina aproveitaram a famigerada fiabilidade dos Datsun 1200 e não deixaram escapar a oportunidade para subir ao derradeiro lugar do pódio.

O Historic Endurance regressa no fim de semana de 8 e 9 de Outubro, sendo uma das corridas do Estoril Classics, o maior evento de históricos de competição da Península Ibérica que anualmente se realiza no Autódromo do Estoril.