Início Mod. individuais Ciclismo

Tour de France: Pogacar impaciente por iniciar a defesa do título

88
Tadej Pogacar - Ciclista

Tadej Pogacar demonstrou ontem a sua conhecida impaciência, ao dizer-se ansioso para iniciar a defesa dos títulos conquistados na Volta a França em bicicleta, confessando ainda estar inquieto com a recente vaga de Covid-19 no pelotão.

Estou ansioso para começar, estou muito impaciente. Vai ser um dia espectacular”, declarou, entusiasmado, o sempre expansivo ciclista esloveno, em videoconferência de imprensa.

O líder da UAE Emirates, de 23 anos, assumiu-se “entusiasmado por estar à partida do Tour”.

Como em todas as corridas, vou fazer o meu melhor aqui. É a maior prova do calendário, por isso estou feliz por participar e por lutar pelo título. A preparação foi boa, estive em altitude, depois na Volta à Eslovénia, e novamente em altitude.

Penso que estou em boa forma. Em relação ao ano passado, não há diferenças. Estou preparado, ainda mais confiante, porque melhoro ano após ano, vou ganhando experiência”, notou.

‘Pogi’ salientou, contudo, que na ‘Grande Boucle’ “nunca se sabe o que pode acontecer” e que “basta ter um mau dia” para perder as hipóteses de vitória.

É uma primeira semana traiçoeira. Muito plano, vento lateral, ‘pavés’… Mas se nos unirmos como equipa, seremos suficientemente fortes. Não precisamos de ser agressivos ou defensivos, faremos simplesmente aquilo que temos de fazer, estar na frente e lutar pela nossa posição.

Estamos preparados para isso, pelo que não nos devemos preocupar”, avaliou.

O bicampeão em título garantiu que a UAE Emirates – desta vez sem portugueses no ‘oito’ do Tour – vai concentrar-se em si própria.

Somos uma equipa forte, confio nos meus companheiros, estamos muito motivados. Se nos mantivermos juntos durante as três semanas, vamos conseguir”, completou.

Pogacar minimizou ainda as suas possibilidades de ganhar o contrarrelógio da primeira etapa, considerando que, na sexta-feira, não deverá ser o melhor nos 13,2 quilómetros nas ruas de Copenhaga (Dinamarca).

Assim que houver uma oportunidade, todos vão querer vesti-la. Aquilo que vem com a camisola amarela – as responsabilidades, as cerimónias protocolares e as conferências de imprensa – faz parte. Nunca se diz não à Amarela”, argumentou.

No ano passado, o mais jovem bicampeão da história da ‘Grande Boucle’ vestiu a camisola de líder à oitava etapa, depois de ter ficado perto de o conseguir à quinta jornada, e na sexta-feira parte não só com o dorsal número um, mas também como favorito incontestável.

Além dos homens da Jumbo-Visma, ‘vices’ de ‘Pogi’ nas últimas duas edições – o também esloveno Primoz Roglic foi segundo em 2020 e o dinamarquês Jonas Vingegaard no ano passado -, só a Covid-19 parece poder interromper o domínio do corredor da UAE.

É um pouco preocupante. Espero que, chegados aqui, fiquemos o mais possível em ‘bolha’ e que não tenhamos outro teste positivo”, disse, referindo-se à infecção do italiano Matteo Trentin, que deu positivo na quarta-feira e foi substituído pelo suíço Marc Hirschi.

A 109ª Volta a França arranca na sexta-feira em Copenhaga, na Dinamarca, e termina em 24 de julho, em Paris.

Tour de France 2022 de fio a pavio: Em directo no Eurosport