Início Mod. individuais Automobilismo

Francisco Carvalho ambiciona fazer mais e melhor em Vila Real

13
Francisco Carvalho e Miguel Cristóvão - CPV 2022 - Jarama

Se há piloto para quem o Circuito de Vila Real, que recebe o Campeonato de Portugal de Velocidade (CPV) by Hankook a 2 e 3 de julho próximo, não tem qualquer tipo de segredos é Francisco Carvalho, uma das figuras daquela competição nesta época de velocidade de 2022.

O piloto da Guarda nunca falhou uma edição das corridas transmontanas até à interrupção ditada pela pandemia de Covid-19, guiando uma diversidade de carros que vão desde o Aston Martin ao Porsche 911, passando pelo Audi e Seat, ambos da categoria TCR.

Ao longo destes anos, tenho-me dado muito bem com o circuito e espero, desta vez, que esse estado de coisas se mantenha, para eu continuar na discussão das vitórias”, recorda, antes de se pronunciar sobre o McLaren 570S da Araújo Competição que partilha com Miguel Cristóvão na presente temporada do CPV.

Deve ser divertidíssimo correr de McLaren no Circuito de Vila Real…

Francisco Carvalho, pela sua vasta experiência, sabe o que necessita fazer, a nível de condução e não só, para ser rápido numa pista urbana como a de Vila Real.

Não sendo uma pista permanente, mas sim uma estrada nacional, o asfalto não é muito abrasivo. Tem muito que se lhe diga…  Lembro, por exemplo, a subida muito rápida antes da chicane de Mateus. Há quatro curvas que são negociadas muito depressa e depois vem a descida de Mateus, que é vertiginosa em termos de velocidade.

Há duas esquerdas feitas a descer, antes de uma direita rápida, com travagem forte para a chicane. É necessário ter atenção ao ponto de travagem para fazer a primeira [esquerda] a fundo. Direi que é um circuito único no mundo”.

Com um quarto e um sétimo lugares, em termos absolutos, nas duas primeiras corridas da jornada de abertura da época, em Jarama, a dupla Francisco Carvalho / Miguel Cristóvão, no McLaren 750S da Araújo Competição com o número 88, ambiciona fazer mais e melhor já em Vila Real. O piloto da Guarda reconhece que há potencial para discutir as vitórias.

A ideia com que fiquei em Jarama é que somos uma equipa forte e capaz de lutar pelo título. A espanhola SMC, com os seus McLaren, teve a vantagem do conhecimento do circuito e do carro nessas duas corridas.

Vamos fazer todos os possíveis por colmatar essa diferença e estou convencido de que nas próximas jornadas já faremos jogo igual ou superior.

Aliás, tivemos bastante azar, pois se não fosse o problema eléctrico que afectou o desempenho do Miguel Cristóvão na segunda corrida, poderíamos tê-la ganho. Nas corridas também é preciso sorte para ter vantagem…

FPAK