Início Extra Competição

IPC vai deixar de tutelar a Natação e o Atletismo adaptado

10
Comité Paralímpico Internacional

O Comité Paralímpico Internacional (IPC) vai anunciar até final do ano as organizações desportivas que vão passar a gerir as modalidades de natação e atletismo adaptado, atualmente sob a sua tutela, disse hoje o presidente do organismo.

Ainda este ano queremos anunciar o destino de atletismo e da natação, mas é um facto que vão sair de dentro do IPC”, afirmou Andrew Parsons, em entrevista à agência Lusa, explicando que estas saídas se inserem na estratégia do organismo responsável pela organização dos Jogos Paralímpicos.

De acordo com o presidente do IPC, que está na Madeira para acompanhar os Mundiais de natação adaptada, que terminam hoje, o novo estatuto do organismo, aprovado em dezembro passado, mostra que “o movimento paralímpico não quer que o IPC continue a ser federação internacional de nenhuma modalidade”.

O IPC deve ser a ‘organização chapéu’ dos Jogos, a organização que apoia os países membros, e as várias federações de modalidade, e que lida com a parte dos direitos humanos, percebendo e incentivando o desporto a apoiar a transformação do mundo num espaço mais inclusivo”, afirmou.

Andrew Parsons referiu que a Federação Internacional de Natação (FINA) e a World Athletics (WA) – as organizações que gerem a natação e o atletismo regular – estão entre os candidatos a acolher as modalidades na sua vertente adaptada.

Em 2008, várias modalidades saíram da alçada do IPC, entre elas o ciclismo, a equitação, o ténis de mesa e o tiro com arco, e estão nas federações convencionais.

Em breve, vamos passar para a Federação Internacional de Esqui (FIS) o snowboard, o esqui alpino e o cross-country”, disse, reiterando o empenho do IPC “em trabalhar para que a transição seja suave para países e atletas”.

Segundo Parsons, estão a ser criadas condições para que as 10 modalidades que ainda estão sob a alçada do IPC “saiam para outras organizações até 2026”.

Lusa