Início Mod. colectivas Futebol

Europeu Sub-17 2022: Antevisão da Selecção Portuguesa em Israel

23
UEFA Under-17 2022 (Europeu Sub-17)

A Selecção Portuguesa de futebol de Sub-17 parte para Israel, onde se vai realizar o Campeonato da Europa, com o objectivo de “fazer o melhor resultado possível”, embora sem querer alimentar as ilusões de conquistas.

Temos estado a evoluir, vamos tendo um conhecimento melhor da nossa Selecção e os jogadores vão-se conhecendo melhor. Essa evolução é muito positiva e aliar isso com o apuramento para o Campeonato da Europa é excelente.

O que temos de tentar é fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para obter o melhor resultado possível. É o grande objectivo”, sublinhou o seleccionador português José Lima, em entrevista à agência Lusa.

A equipa das ‘quinas’ conta no historial com duas conquistas, em 2003 e 2016, às quais se juntam outros quatro troféus, em 1989, 1995, 1996 e 2000, quando a competição se realizava ainda em Sub-16, mas José Lima lembrou que “cada geração é uma geração”.

Há 16 equipas com possibilidades de ganhar o Campeonato da Europa. A partir daí, também estamos incluídos, mas sabendo que há cinco ou seis Selecções que são muito fortes.

É bom sonharmos e pensarmos, mas estamos a criar falsas ilusões. Vamos ter três adversários difíceis, em que temos de fazer tudo para sermos apurados”, explicou.

A equipa das ‘quinas’ irá defrontar Escócia, Suécia e Dinamarca no grupo D do torneio continental, com José Lima a elogiar as três Selecções, destacando uma equipa escocesa que “junta muito os três sectores, faz uma muito boa basculação e é muito organizada”, antes de analisar os dois conjuntos nórdicos, que também trarão algumas dificuldades.

São duas Selecções fortes e jogam muito bem, mas com formas diferentes de jogar. Vai ser difícil, mas penso que vamos estar preparados. Já jogámos contra a Dinamarca, em Sub-16, e criaram-nos muitos problemas pela forma de jogar”, lembrou o seleccionador.

Gerir jovens futebolistas, com muitos sonhos para as carreiras profissionais, deixa José Lima com a função de complementar esses objectivos individuais à organização colectiva da equipa, num grupo oriundo dos escalões de formação de Sporting, Benfica, FC Porto e Sporting de Braga – a excepção é Diogo Monteiro, que alinha nos suíços do Servette.

Muitos já jogaram nos Sub-19, alguns nos Ssub-23 e equipa B e, felizmente, alguns nas equipas A. É bom, porque os objectivos vão sendo mais difíceis e ficam mais preparados para tornear a adversidade.

Tem sido fundamental o trabalho dos clubes, porque têm os jogadores diariamente, vão vendo a evolução deles e vão escalonando os jogadores pelos vários patamares. Isso tem sido excelente”, admitiu o seleccionador, de 55 anos.

O avançado Dinis Rodrigues partilhou da opinião de que o objectivo de Portugal assenta em jogar no Europeu “jogo a jogo”, sem estarem “preocupados com o resultado final”.

Claro que temos uma boa equipa e trabalhamos bem, mas somos candidatos apenas a ganhar o próximo jogo. É nisso que temos de pensar. Jogo a jogo, vamos fazer o nosso caminho”, afirmou à Lusa o dianteiro, de 16 anos, que representa o Sporting de Braga.

Melhor marcador luso na fase de qualificação, Dinis Rodrigues quer uma boa prestação individual e “ajudar a equipa o máximo que conseguir”, depois de uma temporada em que se destacou nos júniores dos bracarenses e onde ainda jogou pela equipa Sub-23.

Quantas mais competições de grande nível tivermos em Portugal, melhor para que os atletas, quando chegarem à equipa A, conseguirem estar mais bem preparados. O Braga está a ter uma grande aposta e só temos de aproveitar essas competições para evoluir”, disse o jovem, que tem como referências Cristiano Ronaldo e Karim Benzema.

A estreia, diante dos escoceses, joga-se na terça-feira, seguindo-se a Suécia, na sexta-feira, e a Dinamarca a encerrar, em 23 de maio.

Os ‘quartos’ jogam-se em 25 e 26 de maio, as meias-finais em 29 de maio e o jogo decisivo no dia 1 de junho, em Netanya.

Lusa