Início Mod. individuais Todo o Terreno

24 Horas TT Fronteira 2021: Resumo e declarações dos pilotos

136
24 Horas TT Fronteira 2021

A 23ª edição da BP Ultimate 24 Horas TT Vila de Fronteira confirmou o estatuto ímpar da prova: um ambiente sem paralelo, um incrível espírito desportivo, enormes demonstrações de resiliência das equipas, mas também do público e, claro, um sem número de emoções vividas ao longo dos intermináveis 1.440 minutos de duração da prova.

A grande festa do todo terreno nacional terminou às 14h de hoje (domingo) e, a verdade, é que já deixa saudades a todos os que tiveram o privilégio de a viver. E se, como vencedores, até podem ser declarados todos os que aceitaram o desafio da prova organizada pelo Automóvel Club de Portugal, quem subiu ao lugar mais alto do pódio foi uma equipa que continua a fazer história em Fronteira: o conjunto luso-francês liderado por Alexandre Andrade (A.C. Nissan Proto) estendeu o seu recorde para 8 vitórias!

Mais de duas centenas e meia de pilotos, de nove nacionalidades, mas também os espectadores espalhados pelos 16 quilómetros de perímetro do Terródromo de Fronteira, voltaram a viver as emoções e as sensações que só a maior prova de resistência da modalidade consegue proporcionar.

As 24 horas de Fronteira voltaram para reafirmar a sua reputação. Não apenas de uma luta contra o cronómetro, ou uma prova de superação para homens e máquinas, mas também uma enorme festa, que celebra o verdadeiro espírito do todo-o-terreno.

Ainda não foi nesta edição que um SSV se estreou a vencer na prova de resistência organizada pelo Automóvel Club de Portugal. O triunfo ficou a cargo dos suspeitos do costume, a equipa luso-francesa de Alexandre Andrade, Cedric Duple, Yann Morize e Florent Charvot que, noite dentro, assinou um desempenho irrepreensível com o seu Nissan Proto, assumindo às 11 horas de prova uma liderança que nunca mais perdeu.

E assim confirmou, de forma categórica, um novo recorde de oito triunfos em Fronteira (2004, 2007, 2009, 2011, 2016, 2018, 2019 e 2021), fruto da receita infalível, velocidade e consistência, que também já tinha imposto no triunfo nas 24 Horas de Paris deste ano. Uma época perfeita, de dobradinha, tal como já tinham feito em 2016!

Queríamos juntar esta vitória ao triunfo nas 24 Horas de Paris. A estratégia foi começar devagar. A nossa especialidade é à noite e foi nesse período que demos todo o gás! Temos um carro espectacular, já com 10 anos, mas muito fiável; temos que agradecer ao Cedric o trabalho que faz. O Cedric é top top top…”, confessou, referindo-se ao desempenho do seu segundo piloto e preparador do carro, Cedric Duple.

No segundo lugar, a duas voltas dos vencedores, terminou o Fouquet nº8 dividido entre os franceses Francis Balocchi, Nicolas Martin, Benjamin Bujon e Laurent Fouquet, que assegurou, ao mesmo tempo, o triunfo na categoria T1.

E a fechar o pódio ficou o melhor dos SSV, equipa 100% portuguesa constituída por Rui Carneiro, João Ferreira e os irmãos Ricardo e Manuel Porém.

Apesar dos problemas técnicos diversos no MMP Can-Am, o terceiro lugar foi seguro com uma volta de vantagem para os quartos classificados e celebrado em festa.

O terceiro lugar soube a vitória! Foi muito difícil, tivemos alguns problemas de transmissão durante a noite, faz parte, mas foi um excelente resultado, um grande trabalho de toda a equipa!

Quando nos juntámos e decidimos fazer isto tínhamos a certeza que só podia dar certo. Este quarteto fantástico, juntamente com toda a equipa, proporcionou o nosso melhor resultado em Fronteira. Vamos agora desfrutar!”, afirmou Ricardo Porém, em permanente registo de celebração.

Na categoria T2, a vitória sorriu à PRK Sport Rally Team. José Rogeira, Marco Sousa, Luís Correia e Flávio Jerónimo levaram a Nissan Navara a cumprir um total de 79 voltas.

São 24 horas! Só se consegue terminar fruto do trabalho dos pilotos, dos mecânicos, do staff e… de tudo o que possa acontecer! Tivemos muitas adversidades, mas que foram transformadas em oportunidades.

Foi maravilhoso e no próximo ano será melhor com certeza, numa outra posição e… numa outra classe (risos). Somos merecedores e competentes para tentar uma nova categoria!”, afirmou José Rogeira.

Fronteira consagrou ainda outros vencedores nas categorias de promoção. Na categoria C venceu a equipa de Ulisses Mota (Nissan Navara); na categoria A o triunfo foi para a equipa de Manuel Azevedo (UMM Alter Turbo); e na categoria B venceu a equipa PRK Sport Rally Team (Peugeot 504 Pickup).

Carla Gameiro, Cristela Marto, Sílvia Reis e Chantel Neves formaram a equipa que arrecadou o troféu feminino. O exemplo dado pelos companheiros, também participantes em Fronteira, motivou-as para a aventura num Suzuky Jimny, que este ano se estreou num honroso 40º lugar da geral e segundo lugar da categoria A.

A prova de Fronteira acolheu, pela primeira vez, uma equipa inclusiva, que incluiu o ciclista paralímpico Telmo Pinão, bem como André Venda, navegadores e ambos deficientes motores. O exemplo de superação marcou a corrida, terminada apesar de problemas de electrónica no Buggy Astra GTC.

Era um grande desafio, mas foi concluído! Não tinha noção das dificuldades que ia enfrentar, só tinha estado cá enquanto espectador, mas foi de facto fascinante. Obrigado por tudo, vamos seguramente voltar”, disse Telmo Pinão, logo secundado por André Venda.

Foi o sair da minha zona de conforto, uma grande experiência que, quem sabe, posso vir a repetir nos próximos anos. Muito obrigado a toda a gente que esteve envolvida e que nos apoiou”.

Classificações Oficiais 24 Horas: http://24horastt.cronobandeira.com/