Fórmula E 2021: Tudo em aberto para a dupla jornada final no e-Prix de Berlim

Jean-Eric Vergne - DS Techeetah

Não há dias iguais no emocionante universo do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula E. A prova disso é que, neste momento, tudo será decidido na dupla jornada final em Berlim.

A segunda corrida do E-Prix de Londres não teve o desfecho desejado para a DS TECHEETAH, pois António Félix da Costa e Jean-Éric Vergne não conseguiram retirar todo o potencial do DS E-TENSE FE21 de modo a pontuar nos campeonatos.

A equipa está já a preparar-se para a batalha final na Alemanha, retendo todas possibilidades de conquistar ambos os títulos. No campeonato de Pilotos, Félix da Costa está agora em quinto lugar, a 15 pontos do líder, enquanto Vergne está a 27 pontos.

No campeonato de Equipas, a DS TECHEETAH está em quarto lugar, a 17 pontos do comando.

Na corrida de hoje do E-Prix de Londres, disputada no circuito de ExCel, com 2,25 km de extensão, Vergne e Félix da Costa foram, respectivamente, o 12º e o 13º mais rápidos na terceira sessão de treinos livres, mas, mais uma vez, a qualificação foi um esforço frustrante, com António (no grupo 1) a ficar em P22 na grelha, e Vergne (no grupo 2), em P23.

Ambos os pilotos da DS TECHEETAH largaram bem, recuperando posições logo nas voltas iniciais, alcançado a 16ª (Félix da Costa) e 18ª (Vergne) durante a 6ª volta, quando teve lugar a primeira intervenção do ‘safety-car’.

O piloto português progredia para a P12 mas, infelizmente, ao tentar a ultrapassagem a Lotterer, foi “entalado” pelo alemão contra o muro e foi forçado a abandonar.

Quanto a Vergne, apesar de ter o segundo ‘attack mode’ arruinado por uma das intervenções do ‘safety-car’, terminou a na 12ª posição.

Jean-Éric Vergne, P12

Não era bem este o domingo com que estávamos a contar… Muitos acidentes e muitos pilotos a terminar a corrida com os carros danificados. É uma grande desilusão.

Arranquei em último e recuperei até ao 14º lugar. Agora temos de manter a calma e continuar a trabalhar arduamente. Ainda há duas corridas e estamos prontos para a luta final em Berlim”.

António Félix da Costa, DNF

Hoje foi um dia difícil… Mais uma vez não nos qualificámos bem, pelas mesmas razões, mas na corrida, estávamos quase de volta ao top-10 quando fui empurrado para fora da pista… É duro, podíamos ter conquistado valiosos pontos.

Agora vamos para o confronto final em Berlim, teremos de lutar pelos nossos títulos, como fizemos no ano passado, e estou confiante de que, como equipa, daremos o nosso melhor”.