Início Mod. individuais Ciclismo

Corrida da Paz 2021: Miguel Salgueiro foi 25º na etapa mais suave

8
Miguel Salgueiro - Ciclista

Miguel Salgueiro, 25º classificado, foi hoje o melhor elemento da Selecção Nacional na primeira etapa em linha da Corrida da Paz, 131,4 quilómetros percorridos entre Jeseník e Rýmařov, na República Checa.

Todos os portugueses terminaram com o tempo do vencedor.

A prova da Taça das Nações tem um perfil visando um crescendo da intensidade de corrida com o passar dos dias. Após o curto prólogo de ontem, hoje os corredores enfrentaram a etapa mais plana da competição, antecipando a montanha do fim de semana.

A etapa decidiu-se no circuito de Rýmařov, percorrido três vezes. Foi uma fase final muito atacada, mas a Noruega controlou a corrida, de modo a defender a camisola amarela de Søren Wærenskjold, permitindo uma discussão ao sprint.

Na luta entre os velocistas impôs-se um sub-23 de primeiro ano, já no radar das equipas WorldTour, o checo Pavel Bittner, ciclista do grupo de desenvolvimento da Team DSM.

Wessel Krul (Países Baixos) foi o segundo e os espanhol Jon Barrenetxea foi o terceiro.

O sprint ficou marcado por uma queda, a 100 metros da chegada, na cabeça do pelotão.

O Miguel Salgueiro e o Fábio Costa vinham colocados perto dos dez primeiros, com expectativa de melhor posições na meta, mas a estrada ficou cortada pelos corredores que caíram e eles já não conseguiram o lugar por que se batiam, conta o seleccionador nacional, José Poeira.

Toda a armada nacional chegou integrada no pelotão principal: Miguel Salgueiro, 25º, Diogo Barbosa, 37º, Afonso Silva, 52º, Pedro Miguel Lopes, 61º, Fábio Fernandes, 71º, e Fábio Costa, 79º.

O norueguês Søren Wærenskjold continua no topo da geral, dispondo de uma vantagem de 5 segundos sobre Wessel Krul e de 6 segundos relativamente ao francês Kévin Vauquelin.

Miguel Salgueiro, 39º, Fábio Costa, 40º, e Pedro Miguel Lopes, 41º, estão a 21 segundos do comandante. Diogo Barbosa é 63º, a 26 segundos, Afonso Silva é 69º, a 27, e Fábio Fernandes é 81º, a 32.

A segunda etapa, 136,3 quilómetros entre Bruntál e Dlouhé Stráně, disputa-se neste sábado e assinala o início da montanha. Duas dificuldades orográficas nos derradeiros 20 quilómetros, a última coincidente com a meta, prometem marcar diferenças substanciais, privilegiando os trepadores.

Vamos bater-nos por um bom lugar na geral. Se os nossos corredores confirmarem as indicações dadas, por exemplo, na Volta ao Algarve, será possível um bom lugar, antecipa José Poeira.

FP Ciclismo