Taças Ralicross/Kartcross 2016: Resumo das Finais, por categoria

Taças Ralicross/Kartcross 2016: Resumo das Finais, por categoria

O público disse sim ao convite do CAL e não arredou pé, mesmo quando a chuva caiu, mas não deu o tempo por mal empregue: o espectáculo foi uma constante.

153
Jorge Gonzaga - Taça Kartcross 2016 - Lousada

O Eurocircuito de Lousada recebeu a prova de encerramento da época, a Taça de Portugal de Ralicross e Kartcross. O Clube Automóvel de Lousada organizou a jornada que a Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting decidiu, muito bem, prover e que fechou 2016 com chave-de-ouro.

Parabéns a Santinho Mendes, Jorge Gonzaga, Joaquim Machado e Sérgio Dias, que são os vencedores da primeira Taça de Portugal. Parabéns ainda a Ludgero Santos, o vencedor da prova dos Super Buggys, que integrou o programa.

Como é hábito, o público disse sim ao convite do CAL e não arredou pé, mesmo quando a chuva caiu e certamente que não deu o tempo por mal empregue, pois o espectáculo foi uma constante.

Finais

Kartcross
Mário Rato (Semog Bravo 600) e Sérgio Bandeira (Semog Bravo) partiram na frente, mas a ‘liderança’ só durou até à curva um. Tocaram-se, os kartcross ‘engataram’ as rodas e lá baixaram para o fundo da classificação. Quem mais lucrou com a manobra foi José Luís Pereira (AG Sport) que passou para a frente e aí controlou o início da corrida. No entanto não seria assim até ao final.

Jorge Gonzaga (ASK) pressionava e na travagem para o gancho que antecede a recta da meta, travava nos limites e passava para frente. A oposição era encabeçada por António Silva (ASK Evo 16), que vinha de lá de trás e se mantinha em segundo, com muita pressão por parte de João Matias (H Sport), que cortaria a meta quatro décimas depois.

Sérgio Castro (ASK 600) foi o quarto a terminar e trazia um adversário de peso ‘colado’ à traseira. É que Mário Rato, depois das peripécias na partida, recuperava até ao quinto posto e terminava a três décimas de Castro.

Luís Almeida (Semog Bravo 600) encerrava o ‘top-6. Seguiam-no respectivamente José Mota (Semog Bravo), Rui Nunes (Semog), Pedro Palma (Semog) e Joaquin Amil (Kinkar), que veio desde Espanha disputar a Taça de Portugal, que foi vencida por Jorge Gonzaga.

Super 1600
Rui Sirgado (Citroen DS3 S1600) não ia além da curva um. Um tête de 360º deixava-o fora da prova, enquanto João Ribeiro (Citroen Saxo S1600) ‘voava’ para a primeira posição da corrida. Tal com tem sido hábito a corrida era discutia entre Ribeiros, com João a levar a melhor sobre Hélder (Citroen C2 S1600). Com a corrida a meio, Joaquim Machado (Peugeot 206 S1600) subia para o pódio, trocando de posição com Joaquim Pacheco (Citroen C2 S1600).

Logo de seguida um golpe de teatro na cabeça da corrida: João Ribeiro fez um tête, o motor do Citroen ‘morreu’ e o mais jovem do ‘clã Ribeiro’ via a vitória escapar-lhe entre os dedos. A corrida passava a ser liderada por Joaquim Machado, sempre muito pressionado por Hélder Ribeiro. A prova só seria decidida sobre a meta. Joaquim Machado cortava em primeiro e ganhava a Taça de Portugal.

Super Nacional 2RM
João Oliveira (Peugeot 206) partiu muito bem e colocou-se na liderança logo na partida. Luís Moreira não partiu bem, o BMW parece ter ficado a ‘patinar’ e perdeu várias posições de uma assentada. Quem mais lucrou foi Sérgio Dias (Citroen Saxo) que passou para segundo e Agostinho Sousa (Citroen Saxo), que era o terceiro, muito próximo.

Com cinco voltas corridas, Sérgio Dias passava para a cabeça da prova, por troca com João Oliveira. José Sousa (Peugeot 306) ‘trepava’ de lá de trás, era terceiro, depois de bater Agostinho Sousa, que assim baixava para a quarta posição. Luís Morais (Peugeot 106) era quinto e Daniel Pacheco (Fiat Punto) cortava a meta em sexto, depois de uma partida atribulada, em que ficava por fora na curva um e perdia muito tempo na lama. Luís Moreira e Américo Sousa (Citroen Saxo) completavam a classificação. Sérgio Dias era vencedor da Taça.

Super Iniciação
Rafael Rocha (Peugeot 106) arrancou como uma seta e de imediato colocou-se na frente da corrida. Santinho Mendes (Peugeot 205) passou a rodar colado e a prova prometia luta até ao final. Leandro Macedo (WV Polo) não foi feliz na partida e teve que tentar recuperar. Passou a pressionar Francisco Silva (Citroen Saxo), que era o terceiro. Santinho ganhou uma posição, Rafael Rocha era surpreendido e logo de seguida perdia mais um posto, para Francisco Silva.

Pedro Domingos (Toyota Starlet) subia para o quarto lugar e Macedo ficava pela terceira volta, depois de uma saída ligeira que lhe danificava a direcção do Polo. Pedro Pereira (Renault Clio) e Andreia Sousa (Toyota Starlet) completavam a classificação, por esta ordem. Santinho Mendes é o vencedor da Taça de Portugal na Super Iniciação.

Super Buggys
Os Super Buggys correram como prova de apoio e Ludgero Santos, em Toniauto TT, dominou. Ludgero Santos, partiu da posição do meio, o que facilita o arranque. Luís santos (Toniauto TT) ficou a ‘patinar’ na lama e passou para segundo. Na Curva um Nelson Barata (Toniauto TT) e Arménio Rodrigues (Atmos Strong) tocaram-se, ficaram com as rodas engatadas e passaram para as duas últimas posições, respectivamente.

Ludgero estava de pedra e cal na frente. Luís Santos era segundo, mas não se podia distrair, sob risco de ser ultrapassado por António Estêvão (MXG). Nas posições seguintes terminaram o estreante Rui Godinho (PGRacing), seguido de Nelson Barata (Toniauto TNTT) e Arménio Rodrigues (Atmos Strong).