Veloso Motorsport: Balanço da época e ‘recados’ para a FPAK

Veloso Motorsport: Balanço da época e ‘recados’ para a FPAK

175

O responsável da Veloso Motorsport, Luís Veloso, aproveitou o período de férias para fazer o balanço da época até esta altura e lançar também ideias para o futuro da Velocidade Nacional.

O balanço que faço até esta altura é muito positivo, com o desempenho da equipa a deixar-me bastante satisfeito. Espero que seja possível na segunda metade da época continuar a lutar pelos lugares de pódio no Lamborghini Blancpain Super Trofeo 2015 e garantir o título no CNV/GT Cup. Estes são os principais objectivos, onde se enquadram também as presenças com ambição de vitória, nas 6 horas de Brno e nas 32 horas de Portimão, onde nesta última prova vamos tentar defender o título conquistado no ano passado.

Estamos também a estudar a possibilidade de estarmos presentes em mais algumas provas, CNV incluído, com o Lamborghini e o SEAT Leon Supercopa. Um dos nossos projectos mais recentes passa por uma presença nas Single Seater Series e, por isso, adquirimos recentemente dois monolugares de Fórmula Ford. Depois de revistos pela nossa equipa, estes carros estarão disponíveis para alugar a pilotos interessados em alinhar nas derradeiras provas desta competição em 2015.

As nossas expectativas são grandes e acho que chegou o momento de a FPAK, em conjunto com o promotor da velocidade nacional, terem coragem de fazer um corte com o passado e criar um novo Campeonato Nacional de Velocidade, mais adequado à realidade nacional. Com isto quero dizer que o futuro CNV deve ter, entre outras soluções, uma regulamentação técnica que permite a utilização de carros que competem em diversos campeonatos internacionais, isto para que nos seja possível rentabilizar os carros, assim como tornar mais fácil a sua compra e venda quando assim for necessário.

Deve-se também ter em linha de conta, que é fundamental criar condições para que as marcas se identifiquem com esta competição, para libertar as equipas de investimentos acima do razoável e para que seja possível a estas apresentar aos pilotos orçamentos que se coadunem com a realidade do nosso mercado.

Não se pode descurar a vertente que engloba o prazer de condução dos pilotos, ou seja, há que ter em linha de conta que as competições têm de se disputadas com veículos interessantes ao nível da condução e dos desafios que apresentam aos pilotos. Reunidas estas condições, será mais fácil ter corridas disputadas, aliciantes para o público e por inerência mais atractivas para os patrocinadores, facilitando a vida de pilotos e equipas na angariação de apoios.

Em resumo, penso que uma regulamentação técnica ao nível do que é utilizada no CER (Campeonato de Espanha de Resistência), que tem por base os regulamentos das TCR Series e ETCC, assim como uma regulamentação desportiva igual a que se fazia no Europeu de GT4, com um misto de corridas de sprint e de endurance, isto é, com uma corrida de 50 minutos para dois pilotos e duas de sprint, uma para cada piloto.

Outra das grandes lacunas no desporto automóvel em Portugal, é a inexistência de uma competição de velocidade para pilotos iniciados. Acho que era muito importante que a FPAK decidisse criar um troféu, (ou em alternativa que criasse condições especiais para que fosse um promotor a desenvolver essa ideia), destinado a todos aqueles que se pretendam iniciar na competição de pista, assim como para os jovens provenientes dos kartings, que neste momento não têm grandes alternativas para prosseguir carreira em termos nacionais, criando-se assim condições para estes pilotos chegarem no futuro ao CNV com maiores possibilidades de serem bem-sucedidos.

Relembro o sucesso dos troféus de iniciados que existiram durante muitos anos em Portugal, competições que forneceram muitos e bons pilotos à velocidade nacional. A ideia aqui passaria por procurar um carro de turismo de custo acessível, já homologado ou que tenha sido já desenvolvido por alguma marca.

Claro que tudo isto não se faz de um dia para o outro e por isso há que também criar condições de estabilidade regulamentar a médio prazo, para que seja possível ver resultados no futuro.