Tour de l’Avenir 2017: Equipa Portugal mantém aspirações intactas em etapa electrizante

Tour de l’Avenir 2017: Equipa Portugal mantém aspirações intactas em etapa electrizante

A Equipa Portugal terminou hoje a 5ª etapa da Volta a França do Futuro com as aspirações de lutar pelos primeiros lugares intactas, apesar de toda a ligação ter sido fértil em surpresas e ataques que, muitas vezes, 'cortaram' o pelotão em pedaços.

54

Equipa Portugal Sub-23A Equipa Portugal terminou hoje a quinta etapa da Volta a França do Futuro, 157,1 quilómetros entre Montreuil-Bellay e Amboise, com as aspirações de lutar pelos primeiros lugares intactas, apesar de toda a ligação ter sido fértil em surpresas e ataques que, muitas vezes, ‘cortaram’ o pelotão em pedaços. Francisco Campos foi 12º.

A quinta etapa fugiu completamente ao guião esperado de uma chegada ao sprint e os avisos surgiram de início. A viagem começou, como vem sendo hábito, a alta velocidade, mas, desta vez, o ritmo partiu o pelotão em pedaços. A recomposição apenas aconteceu com cerca de 50 quilómetros percorridos.

Pouco depois de o pelotão ficar compacto e na sequência de inúmeras tentativas de fuga anuladas pela vivacidade do grupo principal, conseguiram destacar-se três corredores: o austríaco Patrick Gamper e os bielorrussos Ilya Volkau e Vasili Strokov. O pelotão parece ter olhado ao currículo do trio, achou que não constituíam perigo para a geral final e deixou a vantagem dos escapados ultrapassar os 7 minutos.

Se atrás não houve organização para fazer uma perseguição eficaz, houve, pelo menos, intenção de mexer com a corrida. Uma das iniciativas pertenceu ao português José Neves, que atacou a cerca de 40 quilómetros do final, antecipando uma altura em que o pelotão, já acusando o desgaste de cinco dias a alta velocidade, voltou a cindir-se para se reagrupar já no circuito final de aproximação à meta.

Vasili Strokov foi o mais rápido do trio, vencendo a tirada, seguido de Patrick Gamper – corredor que conquistou a camisola amarela – e de Ilya Volkau. Foi preciso esperar 3m48s pela chegada do pelotão, comandado pelo norueguês Kristoffer Halvorsen, campeão mundial de sub-23.

Francisco Campos, melhor português do dia, foi o nono do pelotão e 12º da tirada. Tiago Antunes, 28º, José Neves, 81º, André Carvalho, 118º, e Hugo Nunes, 122º, também integraram o grupo principal. Rui Oliveira, vítima de queda nos últimos 10 quilómetros, foi 135º, a 17m41s do vencedor.

“A etapa foi rápida e muito movimentada, mas conseguimos ter a situação sempre controlada. Só temos a lamentar a queda do Hugo Nunes e do Rui Oliveira, que terão de ser observados pelo médico para avaliar a extensão das lesões”, afirma o seleccionador nacional, José Poeira.

Patrick Gamper assumiu o comando da geral individual, dispondo de 1m23s sobre Ilya Volkau e de 3m45s sobre o anterior camisola amarela, Kasper Asgreen. Tiago Antunes é o melhor luso, 26º, a 3m49s. Também a 3m49s estão Hugo Nunes, 50º, e Francisco Campos, 82º. José Neves, 99º, e André Carvalho, 100º, estão a 4m28s. Rui Oliveira é o 128º, a 17m41s.

A Etapa de Quarta-feira

Amanhã, 23 de Agosto, corre-se a 6ª Etapa, de Montrichard a St-Amand-Montrond, com 139,1 km (1120 metros de acumulado). É a derradeira etapa da primeira fase da corrida. Os sprinters que consigam passar o topo colocado nos quilómetros finais poderão fechar com chave-de-ouro a primeira semana de competição. Falta saber se os pretendentes à geral não aproveitarão essa subida para um primeiro teste à condição física própria e à dos adversários.