Tour Avenir: Ruben Guerreiro alcança o top-10 na Volta a França do...

Tour Avenir: Ruben Guerreiro alcança o top-10 na Volta a França do Futuro

139

O ciclista português Ruben Guerreiro subiu hoje ao 10º posto da geral da Volta a França do Futuro, graças ao 13º lugar na sexta etapa, 126 quilómetros, entre Bourg-Saint-Maurice e Saint-Michel-de-Marienne, nos Alpes, palco de um triunfo em solitário do francês Elie Gesbert. A Selecção Nacional/Liberty Seguros ocupa a 7ª posição na geral colectiva.

Apesar do bom resultado desportivo, a jornada de Rúben Guerreiro ficou marcada por uma queda, no quilómetro final, sem grandes consequências físicas. Por esse motivo, o português foi o 13º a cruzar a meta, embora lhe tenha sido atribuído o tempo do décimo na tirada.

Elie Gesbert, que partiu com um atraso superior a 16 minutos para o camisola amarela, teve liberdade para atacar e fez grande parte da tirada em solitário, pois atacou na primeira das duas subidas, no col de la Madeleine. Teve um grande êxito individual, mas deixou desprotegido o chefe de fila, Guillaume Martin, segundo da geral no início da jornada, e à mercê dos ataques dos rivais.

Com Gesbert já em fuga, a primeira selecção fez-se na subida de categoria especial do col de la Madeleine, onde o grupo de favoritos ficou muito restrito. Na descida e na fase plana até à escalada do col de Beau Plan, não houve entendimento e o grupo voltou a engordar, embora a última escalada, a 10 quilómetros da meta, tenha deixado a nu a força de uns e a fragilidade de outros.

O mais consistente foi o espanhol Marc Soler, que deixou para trás toda a concorrência, chegou perto de Gesbert, sendo o segundo na etapa, a 40s, e vestindo a camisola amarela. Apesar de pertencer aos quadros da poderosa Movistar, Marc Soler está a surpreender todo o pelotão, uma vez que, nas duas últimas épocas, nunca esteve perto dos melhores nas etapas de alta montanha de todas as corridas em que participou. O terceiro na etapa foi o belga Laurens de Plus, a 42s. Ruben Guerreiro foi o 13º a cortar o risco, a 2m26s.

Apesar das dificuldades da corrida, todos os portugueses continuam em prova, após mais uma jornada com muitas desistências. Rui Carvalho foi 24º, a 6m17s, João Rodrigues foi 39º, a 15m42, Nuno Bico foi 45º, a 18m37s, Luís Gomes foi 54º, a 21m13s, e César Martingil foi 64º, a 25m36s.

Na geral, Marc Soler arrebatou a camisola amarela ao austríaco Gregor Mühlberger, que hoje saiu do top-10, dispondo de 1m01s sobre o belga Laurens de Plus e de 1m21s relativamente ao australiano Jack Haig, segundo e terceiro, respectivamente. Rúben Guerreiro é décimo, a 2m45s do espanhol e apenas a 1m24s do pódio. Rui Carvalho, que ainda é sub-23 de segundo ano, tem subido na geral de dia para dia e é já 25º, a 14m58s. Seguem-se João Rodrigues, 37º, a 25m20s, Nuno Bico, 41º, a 28m13s, Luís Gomes, 68º, a 54m51s, e César Martingil, 84º, a 1h05m15s.

A Selecção Nacional/Liberty Seguros está a ter um desempenho colectivo muito consistente. Hoje foi a quinta equipa, ocupando a sétima posição na geral colectiva, entre as 21 equipas presentes.

A queda do Ruben, já depois de passadas as maiores dificuldades da etapa, mostra que até ao último metro tudo pode acontecer. Amanhã vamos trabalhar para continuar a subir na classificação geral”, afirma José Poeira.

A Volta a França do Futuro termina neste Sábado com mais uma demolidora jornada nos Alpes. Os corredores vão partir de Saint-Michel-de-Maurienne e vão chegar, depois de percorridos 93,5 quilómetros, a Les Sybelles, topo de uma subida de primeira categoria com 9,5 quilómetros de extensão e 7 por cento de inclinação média. Antes desta escalada, o pelotão vai ainda trepar o col du Molard (17,9 quilómetros a 5,7 por cento), o col de la Croix de Fer (7 quilómetros a 8 por cento) e Lacets de Montvemier (3,1 quilómetros a 9 por cento).