Tour Avenir: Ruben Guerreiro é 9º no alto de La Rosière

Tour Avenir: Ruben Guerreiro é 9º no alto de La Rosière

34

Ruben Guerreiro foi hoje o nono classificado na quinta etapa da Volta a França do Futuro, uma duríssima jornada alpina, que o gaulês Guillaume Martin venceu, beneficiando de um erro no percurso do austríaco Gregor Muhlberger, que, apesar disso, é o novo líder. O ciclista português subiu mais 16 lugares, sendo agora o 14º da geral. a Selecção Nacional/Liberty Seguros ascendeu ao 6º lugar por equipas.

Os 103,1 quilómetros que ligaram Megève a La Rosière foram palco de uma jornada electrizante, com ataques desde o início, o que ainda endureceu mais uma viagem já de si dificílima, com uma contagem de montanha de segunda categoria e três de primeira, a última destas coincidente com a meta.

As Selecções de França e da Colômbia foram as mais activas no lançamento de homens para a frente da corrida, mas os gauleses foram os mais eficazes. Depois de perderem um dos escapados, Jérémy Maison, que teve de desistir no decurso da etapa, devido uma queda, os franceses viram Guillaume Martin assumir a frente de corrida, a solo, a cerca de 35 quilómetros do final.

Guillaume Martin entrou na derradeira subida, de 16 quilómetros, com 2m30s de vantagem sobre o grupo dos fugitivos, de onde saltaram Gregor Muhlberger e o italiano Simone Petilli. O austríaco, estagiário e colega de equipa de José Mendes na Bora-Argon 18, revelou-se mais forte e aproximou-se decisivamente de Martin, só que um engano no percurso, nas últimas centenas de metros, afastou-o da vitória. Muhlberger seria segundo, a 6s do francês. Vindo de trás, o espanhol Marc Soler, corredor da Movistar, foi o terceiro, a 39s.

Os principais favoritos preferiram não ir ao choque na primeira jornada de alta montanha, reservando-se no que restou do pelotão. Foi lá que permaneceu o chefe de fila da Selecção Nacional/Liberty Seguros, Ruben Guerreiro. O português cortou a meta na nona posição, a 1m25s do vencedor.

Rui Carvalho foi o segundo melhor português, na 33ª posição, a 9m05s, seguindo-se Nuno Bico, 36º, a 10m36s, João Rodrigues, 38º, com o mesmo tempo, Luís Gomes, 78º, a 27m00s, e César Martingil, 95º, a 29m20s. O desempenho global valeu à Selecção Nacional/Liberty Seguros o sexto lugar colectivo na etapa, ocupando o mesmo posto na geral por equipas, entre 21 Selecções participantes.

A luta pelos primeiros lugares permanece em aberto. O novo comandante, o austríaco Gregor Muhlberger, dispõe de 3 segundos de vantagem sobre Guillaume Martin e de 36 relativamente a Marc Soler, que são os mais directos perseguidores. Ruben Guerreiro mantém a progressão na tabela, sendo 14º, a 1m35s do camisola amarela e a 4 segundos da entrada no top-10, primeiro objectivo para esta corrida.

O Ruben Guerreiro esteve bem e correu com cabeça, manteve-se junto dos principais candidatos, sem ir ao choque. Houve Selecções que atacaram muito, mas também deixaram energia na estrada. A Volta a França do Futuro é uma prova por etapas, há que recuperar dia a dia para na última jornada fazermos as contas”, afirma o seleccionador nacional, José Poeira.

Rui Carvalho melhorou 17 posições, passando para o 32º lugar, a 9m57s, Nuno Bico é 33º, a 10m52, João Rodrigues é 34º, a 10m54s, Luís Gomes é 78º, a 34m54s, e César Martingil é 94º, a 40m55s.

As duas etapas que faltam para o fim da Volta a França do Futuro continuam a trilhar as estradas dos Alpes. A sexta tirada, a disputar nesta Sexta-feira, terá 126 quilómetros, ligando Bourg-Saint-Maurice a Saint-Michel-de-Maurienne. A viagem contempla a subida de categoria especial do col de la Madeleine (24,8 quilómetros de extensão com inclinação média de 6,1 por cento) e a escalada de primeira categoria do col de Beau Plan (10,4 quilómetros a 6,7 por cento). Esta montanha estará separada da meta por uma descida de 10,2 quilómetros.