Tour Avenir: Indisposição na última etapa trava ambições de Ruben Guerreiro

Tour Avenir: Indisposição na última etapa trava ambições de Ruben Guerreiro

277

A última etapa da Volta a França do Futuro, hoje disputada entre Saint-Michel-de-Maurienne e Les Bittières-Les Sybelles, foi madrasta para Ruben Guerreiro, que, indisposto, não conseguiu segurar o lugar no top-10, caindo para o 16º posto. O russo Matvei Mamykin triunfou na tirada e o espanhol Marc Soler venceu a corrida.

O Ruben acordou indisposto. Na primeira subida descolou e o Rui Carvalho ficou com ele. Estiveram quase a reentrar no grupo da frente, mas não conseguiram. No final da etapa foi assistido pelo médico da Selecção e pelo médico da organização, que, por precaução, decidiram encaminhá-lo para o hospital para despistar uma possível sequela da queda de ontem”, contou o seleccionador nacional, José Poeira.

O problema de saúde atirou Ruben Guerreiro para o 31º lugar da etapa, a 16m46s do russo Matvei Mamykin, fazendo-o descer para a 16ª posição da geral, a 19m19s do vencedor, o espanhol Marc Soler, ciclista dos quadros da Movistar.

A última etapa foi animada pelo colombiano Sebastián Henao, corredor da formação WorldTour Sky, que atacou na primeira das quatro subidas da jornada. A movimentação daquele que, à partida para o Tour do Futuro, era apontado como o grande candidato ao triunfo desmembrou completamente o pelotão. O colombiano seguiu isolado cerca de 80 quilómetros, mas foi alcançado na escalada final.

Os corredores que lutavam pelas posições cimeiras na geral correram de forma mais cerebral, marcando-se mutuamente e inibindo-se de ataques pelos quais poderiam pagar caro. Foi neste registo que, nas últimas rampas, ficaram três homens na dianteira. O russo Matvei Mamykin triunfou, relegando o australiano Jack Haig para o segundo lugar, com o mesmo tempo, e o camisola amarela, Marc Soler, para o terceiro posto na etapa, a 12 segundos. Todos os portugueses chegaram ao fim. Além do 31º lugar de Guerreiro, há a registar o 38º de Luís Gomes, a 21m05s, o 40º de Rui Carvalho, a 21m47s, 61º de Nuno Bico, a 28m09s, o 76º de César Martingil e o 77º de João Rodrigues, ambos a 31m35s.

Na geral, Soler venceu com 1m09s de vantagem sobre Jack Haig e com 2m50s relativamente ao russo Matvei Mamykin, segundo e terceiro, respectivamente. Ruben Guerreiro foi 16º, a 19m19s, Rui Carvalho foi 26º, a 36m33s, Nuno Bico foi 40º, a 56m10s, João Rodrigues foi 41º, a 56m43s, Luís Gomes foi 59º, a 1h15m44s, e César Martingil foi 76º, a 1h36m38s.

Apesar dos problemas que afectaram a equipa na última etapa, a Selecção Nacional/Liberty Seguros concluiu a competição como nona melhor entre as 21 equipas que iniciaram a prova.