Team Novadriver: Entrevista com Francisco Abreu

Team Novadriver: Entrevista com Francisco Abreu

210

As exibições da dupla de pilotos do Team Novadriver, Francisco Abreu e Armando Parente, mostram que a dupla está cada vez mais sólida e com andamento suficiente para manter os líderes sob pressão e lutar pela vitória na competição nos dois Racing Weekend que faltam para o final da temporada.

No seguimento do artigo sobre o balanço do CNV, no qual César Campaniço faz os seus comentários, publicamos agora a entrevista com um dos pilotos do Team Novadriver.

Qual o balanço da primeira parte do CNV?

Após um ano de estreia com o Team Novadriver que terminou da melhor maneira, começar o ano com uma vitória foi excelente. A equipa técnica do Team Novadriver voltou a mostrar a sua qualidade e, por esse lado, o balanço desta primeira fase do campeonato é muito positivo. Porém, as coisas não correram como desejávamos após a estreia em Braga da minha parceria com o Armando Parente. Em Portimão tive um acidente na dobragem a um piloto atrasado, numa altura em que o nosso Tatuus PY012/Honda se mostrava perfeitamente afinado. Um abandono que prejudicou as contas do campeonato, tendo voltado a conhecer o azar em Vila Real. Mais um abandono – quando estava muito perto de chegar à vitória – que complicou, bastante, a nossa candidatura ao título, mesmo tendo exibido um andamento mais que suficiente para lutar pela vitória.

Quais as perspectivas para a parte final do CNV?

É verdade que estamos um pouco longe do primeiro lugar do campeonato; porém, a competição oferece pontos para a ‘pole-position’ e para a volta mais rápida, pelo que a faltarem quatro corridas, há condições para incomodar os líderes e tentar, até ser matematicamente impossível, conquistar o título. Como tenho absoluta confiança na equipa técnica do Team Novadriver, quero acreditar que podemos, ainda, ser campeões.

As pistas que faltam para o final são favoráveis?

O Tatuus PY012/Honda do Team Novadriver tem vindo a demonstrar ser muito consistente em corrida. Na pista de Portimão provámos isso mesmo e poderíamos ter ganho. O Autódromo do Estoril é talismã, pois foi ali que venci pela primeira vez no CNV. Ou seja, estou muito confiante que podemos lutar pela vitória nas quatro corridas que faltam para concluir o CNV 2015, e, naturalmente, pelo título.