Team Novadriver: Entrevista com Armando Parente

Team Novadriver: Entrevista com Armando Parente

146

Depois do artigo onde se faz o balanço do Team Novadriver, no qual César Campaniço comenta a prestação da equipa depois de completados dois terços do Campeonato Nacional de Velocidade, publicámos uma entrevista a Francisco Abreu, um dos pilotos que correm pela equipa no CNV.

Agora, é a vez de Armando Parente tecer os seus comentários sobre o que já foi feito e quis as suas perspectivas para a parte final do CNV.

Qual o balanço da primeira parte do CNV?

Após as seis corridas já disputadas, tenho de fazer um balanço misto do que tem sido a temporada. Por um lado, muito satisfeito com a qualidade do Team Novadriver e com o arranque da competição, pois vencemos logo na estreia em Braga e ocupámos o primeiro lugar da competição. Mostrámos andamento suficiente para justificar essa liderança, que acabou por se esfumar devido a dois incidentes em Portimão e em Vila Real. Dois abandonos que prejudicaram, muito, as contas do campeonato. Por outro lado, o Tatuus PY012/Honda mostrou ser mais consistente e eficaz em corrida que nos treinos.

Quais as perspectivas para a parte final do CNV?

Na minha opinião estamos já demasiado longe do primeiro lugar do CNV, pelo que entendo que faltando quatro corridas para o final da competição, temos de dar tudo por tudo para as vencer e conseguir os pontos de bónus oferecidos pelas ‘pole-position’ e pelas voltas mais rápidas, esperando que a ‘malapata’ que nos perseguiu nas primeiras três jornadas duplas do campeonato nos abandone. Tenho absoluta confiança na equipa técnica do Team Novadriver, pelo que está nas nossas mãos tentar encurtar a diferença pontual para os líderes; nesse aspecto, naturalmente que vamos dar tudo por tudo para vencer e tentar alcançar o nosso objectivo para 2015: ser campeões nacionais.

As pistas que faltam para o final são favoráveis?

Acredito que sim, pois em Portimão, até ao incidente na dobragem a um piloto atrasado, provámos que o Tatuus PY012/Honda do Team Novadriver é muito consistente e rápido em condições de corrida. O Autódromo do Estoril é a pista de ‘casa’, sempre andei bem ali e o ano passado o Francisco [Abreu] e o Team Novadriver dominaram as duas corridas ali realizadas. Por isso, as perspectivas são as melhores para o final do CNV e vamos, naturalmente, atacar a fundo para vencer e, além de oferecer mais um título ao Team Novadriver, pessoalmente, conquistar um segundo ceptro de forma consecutiva após a vitória no CNV 2014 na categoria C3.