TCR 2017: Nuno Batista e Edgar Florindo mostram evolução em Vila Real

TCR 2017: Nuno Batista e Edgar Florindo mostram evolução em Vila Real

Ao volante de um SEAT Leon TCR preparado pela Speedy Motorsport, Edgar Florindo e Nuno Batista estiveram em plano de destaque nesta prova, com os dois pilotos a melhorarem o seu ritmo em relação a provas anteriores

45

Edgar Florindo - TCR 2017 - Vila RealO Campeonato Nacional de Velocidade Turismos/TCR e o Troféu TCR Ibérico, visitaram no passado fim-de-semana o traçado Internacional de Vila Real, para disputar a terceira ronda competitiva de 2017. A passagem pelo circuito citadino vila-realense é sempre um dos pontos altos da temporada, com a emoção e o muito público presente, a dar uma cor especial a este evento.

Ao volante de um SEAT Leon TCR preparado pela Speedy Motorsport, Edgar Florindo e Nuno Batista estiveram em plano de destaque nesta prova, com os dois pilotos a melhorarem o seu ritmo em relação a provas anteriores, como se comprova pela presença de Batista na primeira linha da grelha de partida para a segunda corrida de Domingo e pelo quinto tempo de Florindo para a corrida inaugural.

“Antes de mais, quero salientar a minha satisfação por poder afirmar que fomos uns dos conjuntos mais rápidos neste circuito até chegar às corridas. O Nuno garantiu um lugar na primeira fila e eu fui quinto, mas poderia ter feito melhor, porque não consegui fazer uma volta rápida devido a bandeiras vermelhas e ao tráfego que me prejudicaram. Sem isto estaria entre os três primeiros.

Na corrida, o meu objectivo era fazer um bom arranque e tentar ir ao pódio. A parte do arranque consegui, já que me coloquei lado a lado com o quarto classificado, mas depois o piloto do KIA, com quem estava a discutir a posição na entrada para Abambres, não viu que eu ainda estava ao seu lado – apesar de eu me ter mantido sempre ao seu lado para que me pudesse ver pelos espelhos -, e em vez de abordar a curva por fora para curvarmos lado a lado, apontou o carro para a curva como se eu não estivesse lá e tocámo-nos logo, terminando aí a minha corrida.

Foi pena, porque nem eu nem o Nuno conseguimos concretizar em resultados e pontos o bom andamento que de facto tivemos e que nos motiva para as próximas provas. Temos a certeza que estamos no bom caminho”, referiu Edgar Florindo.

“Este fim-de-semana começou bem mas acabou mal. Na partida não consegui arrancar para a volta de lançamento e fui obrigado a largar do último lugar da grelha. Consegui um bom ritmo logo após o arranque, mas pouco depois o carro começou a perder água e com os avisos de água e óleo a acenderem, fui forçado a parar e a desistir.

Não saio daqui satisfeito, porque apesar de já termos conseguido bons tempos, como se comprova pelo meu segundo lugar na qualificação, não foi possível ainda traduzir isso em bons resultados e isso é o que conta. Gostaria ainda de agradecer à equipa, pelo excelente trabalho que tiveram para conseguir recolocar o carro em condições de competir, depois do acidente na primeira corrida”, disse Nuno Batista.