Ronde de l’Isard 2017: Corredores da Equipa Portugal Sub-23 à conquista dos...

Ronde de l’Isard 2017: Corredores da Equipa Portugal Sub-23 à conquista dos Pirenéus

Para o compromisso em França, o seleccionador nacional, José Poeira, chamou André Carvalho, Gaspar Gonçalves, Venceslau Fernandes, Gonçalo Carvalho, Hugo Nunes e Tiago Antunes

47

A Equipa Portugal compete, de 18 a 21 de Maio, na Ronde de l’Isard, corrida francesa, marcada pela montanha e pontuável para o ranking internacional de sub-23. Depois da participação nas clássicas do Norte da Europa, a Selecção Nacional de Sub-23 inicia um período de competições mais adaptado às características dos ciclistas portugueses.

Para o compromisso em França, o seleccionador nacional, José Poeira, chamou André Carvalho (Team Cipollini Iseo Rime), Gaspar Gonçalves e Venceslau Fernandes (Liberty Seguros/Carglass), Gonçalo Carvalho e Hugo Nunes (Miranda/Mortágua) e Tiago Antunes (Sicasal/Constantinos/Delta Cafés).

“Partimos com intenção de obter os melhores resultados possíveis, mas, até sub-23, cada participação internacional tem também um objectivo formativo, de dar maior experiência aos corredores, e de avaliação, de modo a percebermos de que forma são capazes de adaptar-se a um ambiente competitivo mais exigente do que aquele que encontram no dia a dia”, afirma José Poeira.

A Ronde de l’Isard é uma corrida de referência para o pelotão internacional, uma prova que dá a conhecer os melhores trepadores da categoria de sub-23. A primeira etapa, 146,2 quilómetros, entre Samatan e Boulogne sur Gesse, é a menos exigente das quatro. As restantes levarão o pelotão por duros traçados em plenos Pirenéus.

A segunda tirada tem 146 quilómetros e liga Salies de Salat a Hospice de France. A meta coincide com uma contagem de montanha de primeira categoria. No dia seguinte haverá nova chegada em alto, também de primeira categoria, a Plateau de Beille, depois de percorridos 143,7 quilómetros desde Quillan, numa viagem que cruza outras duas subidas de categoria principal.

A quarta e última etapa da competição não termina em alto, mas obriga os ciclistas a ultrapassarem três prémios de montanha de primeira categoria, durante os 142,1 quilómetros que vão ligar Lavelanet a St. Girons.