Red Bull Cliff Diving 2017: Campeões ditaram a lei em Iris Mór

Red Bull Cliff Diving 2017: Campeões ditaram a lei em Iris Mór

O encontro aconteceu no último fim-de-semana na Irlanda, numa enigmática piscina natural, com os Campeões Gary Hunt e Rhiannan Iffland a imporem toda a sua classe. O próximo encontro é dentro de duas semanas nos Açores

47

Red Bull Cliff Diving 2017 - IrlandaDepois de meses de preparação, os melhores atletas do mundo de saltos para a água de grande altura voltaram finalmente à acção, com o arranque da época de 2017 do Red Bull Cliff Diving World Series. O encontro aconteceu no último fim-de-semana na Irlanda, numa enigmática piscina natural, com os Campeões Gary Hunt (Reino Unido) e Rhiannan Iffland (Austrália) a imporem toda a sua classe. O próximo encontro é, dentro de duas semanas, nos Açores.

Foi com condições algo duras para os atletas que arrancou no último fim-de-semana (24 Junho) mais uma temporada do Red Bull Cliff Diving World Series, a nona desde a estreia em 2009. O vento e as baixas temperaturas – os termómetros não passaram dos 13ºC – exigiram um esforço adicional aos 22 atletas de 12 países presentes no ‘Covil da Serpente’, uma enigmática piscina natural situada em Inis Mór, na Irlanda. O local é de difícil acesso para o público, com a organização a permitir ainda assim a presença de uma plateia de 1500 fãs.

Esta é a primeira época que conta com a participação de masculinos e femininos em todas as etapas e nesse âmbito a viagem até à Irlanda foi vivida de diferentes formas. Para os homens tratou-se do regresso a um destino já conhecido, enquanto para as mulheres o momento foi de descoberta absoluta.

Numa verdadeira corrida de trás para a frente (chegou a ocupar o oitavo lugar, depois de duas rondas), o britânico Gary Hunt acabou por encontrar a concentração necessária para terminar com o pé direito a competição.

“É complicado saltar com estas condições, porque temos a sensação que todo o treino foi em vão. Depois, os muitos anos de experiência manifestam-se e acabamos por conseguir o foco para executar os nossos saltos, deixando de lado as distracções. É verdade que cometi alguns erros, mas acabei por ser consistente e venci”.

O hexacampeão bateu o seu compatriota Blake Aldridge por uma escassa margem, enquanto o norte-americano Andy Jones deixava de fora do pódio uma lenda da modalidade chamada Orlando Duque.

A saltar da plataforma de 21 metros (menos 6 que a plataforma masculina), a australiana Rhiannan Iffland manteve a tendência de domínio dos Campeões do ano passado, mas fê-lo de uma forma mais categórica, deixando a uma distância confortável a segunda classificada – a wildcard Yana Nestsiarava (Bielorrússia).

“Esta foi a competição mais difícil que vivi até ao momento, cheguei a pensar no pior, mas depois mudei de atitude e consegui fazer os meus saltos”.

A etapa irlandesa antecedeu o regresso do Red Bull Cliff Diving aos Açores, previsto para o fim-de-semana de 8 e 9 de Julho. Toda a acção pode ser revista na Red Bull TV em https://www.redbull.tv/live/AP-1RZDSSCB92111/red-bull-cliff-diving-world-series.



Classificações

Masculinos (após uma etapa)
1º Gary Hunt (GBR), 200 pts
2º Blake Aldridge (GBR), 160
3º Andy Jones (EUA), 130
4º Orlando Duque (COL), 110
5º David Colturi (EUA), 90
6º Jonathan Paredes (MEX), 70
7º Kris Kolanus (POL), 60
8º Alessandro De Rose (ITA), 50
9º Alain Kohl Wildcard (LUX), 40
10º Steven Lobue (EUA), 30

Femininos (após uma etapa)
1º Rhiannan Iffland (AUS), 200 pts
2º Yana Nestsiarava (Wildcard – BLR), 160
3º Ginger Huber (EUA), 160
4º Tara Hyer-Tira (EUA), 110
5º Eleanor Smart (Wildcard – EUA), 90
6º Helena Merten (AUS), 70
7º Cesilie Carlton (EUA), 60s
8º Adriana Jimenex (MEX), 50