Red Bull Cliff Diving 2016: Surpresas e confirmações nos Açores

Red Bull Cliff Diving 2016: Surpresas e confirmações nos Açores

O britânico Gary Hunt confirmou nos Açores o seu domínio na modalidade. A australiana Rhiannan Iffland surpreendeu com a segunda vitória da época.

257

Numa jornada emocionante, o Red Bull Cliff Diving World Series regressou este fim-de-semana (9 de Julho) aos Açores para confirmar todo o potencial da única etapa da temporada onde se salta directamente das rochas. Neste clássico houve lugar para surpresas e confirmações: em masculinos o britânico Gary Hunt confirmou o seu domínio na modalidade, enquanto em femininos a australiana Rhiannan Iffland – uma estreante que não integra o quadro principal da competição – surpreendeu com a segunda vitória da época.

Para os 23 atletas de 12 nacionalidades que regressaram este fim-de-semana (9 de Julho) ao ilhéu de Vila Franca do Campo, ao largo da ilha de São Miguel, nos Açores, o deslumbramento não se ficou só pela paisagem. Nesta etapa do Red Bull Cliff Diving World Series, a quinta consecutiva realizada em solo açoriano, é possível viver uma experiência única e diferenciadora – saltar directamente das rochas, como acontecia nos primórdios da modalidade, nascida há cerca de 250 anos no Havai. De alturas de 28 e 20 metros, respectivamente, homens e senhoras gozaram de uma especial liberdade sobre as águas do Atlântico, deixando para uma segunda fase a subida à plataforma, reservada para os saltos mais complexos.

O britânico Gary Hunt voltou a vencer com uma prestação irrepreensível, fechando a competição em grande estilo com um salto particularmente dinâmico – o único em que a saída da plataforma foi feita a correr. A prestação do pentacampeão do circuito mundial veio apenas confirmar o seu inquestionável domínio numa modalidade extremamente elitista, que conta a nível mundial com menos de cem praticantes. Ainda assim, vencer pela terceira vez nos Açores, em cinco edições, não foi propriamente indiferente.

“Acho que vivemos aqui uma grande competição, penso que o nível está cada vez mais elevado e daí a minha preocupação em ser o motor da evolução deste desporto. Estou constantemente a trabalhar em novos saltos e penso que é esse o segredo de me manter no topo, não me contento em apenas chegar lá, quero mais!”.

O norte-americano Andy Jones e o mexicano Jonathan Paredes completaram o pódio desta etapa. Com este resultado, Hunt passa para o comando da classificação geral do Red Bull Cliff Diving World Series, cumpridas que estão três etapas.

Em femininos, a sensação do momento dá pelo nome de Rhiannan Iffland. A atleta australiana, de 24 anos, é uma estreante na modalidade e está a fazer um percurso no mínimo insólito. Há cerca de um mês venceu a primeira etapa do circuito, no Texas, repetindo agora o mesmo registo.

“Sei que é espantoso e invulgar vencer as duas únicas competições em que participei, eu própria ainda estou incrédula! Confesso-me apaixonada por este desporto e, embora saiba que tenho o estatuto de convidada [wildcard], penso que já demonstrei o potencial para continuar a saltar no circuito mundial e, quem sabe, chegar ao título”.

A canadiana Lysanne Richard e a norte-americana Ginger Huber completaram o pódio, enquanto a actual detentora do título – Rachelle Simpson – não foi além de um modesto sétimo posto. Nas contas do circuito é Rhiannan Iffland quem domina, destacada.

A etapa portuguesa tem assegurada a sua continuidade no Red Bull Cliff Diving World Series até 2018. Quanto ao calendário deste ano, prossegue já no próximo dia 23 de Julho em La Rochelle (França).

Classificações do RB Cliff Diving 2016 – Açores

Masculinos
1. Gary Hunt (GBR) – 540.00
2. Andy Jones (EUA) – 469.00
3. Jonathan Paredes (MEX) – 464.00
4. Orlando Duque (COL) – 462.25
5. Artem Sichenko (RUS) – 450.50
6. David Colturi (EUA) – 441.20
7. Blake Aldridge (GBR) – 438.90
8. Steven Lobue (EUA) – 412.85
9. Kyle Mitrioni (EUA) – 296.00
10. Michal Navratil (CHE) – 295.10
11. Sergio Guzman (MEX) – 279.15
12. Kris Kolanus (POL) – 263.50
13. Todor Spasov (BUL) – 258.40
14. Miguel Garcia (COL) 214.20

Femininos
1. Rhiannan Iffland (W) (Aus) – 251.00
2. Lysanne Richard (CAN) – 245.30
3. Ginger Huber (EUA) – 237.00
4. Helena Merten (AUS) – 321.10
5. Yana Nestsiarava (BLR) – 216.50
6. Cesilie Carlton (EUA) – 213.25
7. Rachelle Simpson (EUA) – 196.90
8. Adriana Jimenez (MEX)- 181.30
9. Jaki Valente (BRA) – 173.80

Classificações Gerais 2016

Masculinos (após 3 etapas)
1º Gary Hunt (GBR), 510 pts
2º Jonathan Paredes (MEX), 460
3º Orlando Duque (COL), 270
4º Blake Aldridge (GBR), 240
4º David Culturi (EUA), 240
6º Andy Jones (EUA), 230
6º Michal Navratil (CHE), 230
8º Kris Kolanus (Wildcard, POL), 200
9º Artem Silchenko (RUS), 150
10º Steven Lobue (EUA), 130

Femininos (após 2 etapas)
1º Rhiannan Iffland (Wildcard, AUS), 400 pts
2º Lysanne Richard (CAN), 250
3º Helena Merten (AUS), 240
4º Cesilie Carlton (EUA), 230
5º Ginger Huber (EUA), 190
6º Adriana Jimenez (MEX), 160
7º Rachelle Simpson (EUA), 130
8º Yana Nestsiarava (Wildcard, BLR), 90