Ralicross de Mação 2017: Resumo após a Qualificação, por Categoria

Ralicross de Mação 2017: Resumo após a Qualificação, por Categoria

Ana Matos (Matos Sport) é já virtual vencedora do Campeonato Nacional de Ralicross 2017, na categoria Super Nacional 4WD.

22

Ana Matos - Ralicross de Mação 2017Mação foi palco da penúltima prova do Campeonato Nacional de Ralicross (CNRX), Kartcross e Super Buggy, prova que serviu já para definir alguns dos Campeonatos, no que ao título diz respeito. Ana Matos é já a virtual Campeã Nacional de Ralicross na Super Nacional 4WD.

Após corridas de qualificação

Super iniciação: Rafael Rocha (Peugeot 106) terminou a qualificação na frente. Uma vitória e dois segundos lugares dão-lhe a pole-position para a final. João Novo (Peugeot 106) até venceu as duas corridas de Domingo, mas a desistência na primeira corrida impediu-o de ir mais longe. Sem sorte esteve Pedro Domingos (Toyota Starlet). Um segundo posto no Sábado e duas desistências, uma por um toque e a segunda por a direcção ter partido, colocam-no em terceiro.

Super Nacional: Luís Moreira (BMW 325i) fechou as contas na frente da classificação. Venceu duas corridas e na terceira, teve que ceder aos ataques de Santinho Mendes (Opel Astra). Aliás, a segunda corrida, em que ambos se defrontaram, teve um certo sabor a final, com os dois da frente a terminarem separados por duas décimas.

Santinho Mendes não teve sorte na primeira corrida; num incidente bizarro, a suspensão do Opel Astra cedeu e cortou um tubo de óleo, motivando a sua desistência.

Paulo Reis (Renault Clio) fechou a qualificação com o segundo posto. Esteve sempre entre os da frente, teve nun segundo posto o melhor resultado e graças a isso terminou a qualificação em segundo, à frente de Santinho Mendes. Arlindo Martins (Peugeot 306), José Queirós (Peugeot 309) e Daniel Sousa (Peugeot 106) completaram o grupo dos seis da frente.

Super Nacional A1.6: Pedro Tiago (Peugeot 106) fez o pleno e vai partir da pole-position para a final. Daniel Leal (Citroen Saxo) somou dois segundos lugares, mas na corrida do meio (a segunda) desistiu; mesmo assim, terminou no segundo posto. Sérgio Dias aproveitou a desistência de Leal para ser segundo e assim assegurar o terceiro lugar da grelha. Luís Morais (Peugeot 106) vai partir da quarta posição.

Super 1600: Com dois primeiros e um segundo lugar, João Ribeiro (Citroen Saxo S1600) terminou na frente da qualificação. Joaquim Machado (Peugeot 206) não começou da melhor forma, mas os dois segundos lugares no Domingo, garantem-lhe que parte da segunda posição para a final.

Mário Teixeira (Ford Fiesta S1600) teve no terceiro posto de Sábado o melho resultado, que lhe garante igual posição na grelha da final. José Eduardo Rodrigues (Peugeoto 206 S1600) e Hélder Ribeiro (Citroen C2 S1600) são respectivamente quarto e quinto classificados, à frente de Bruno Gonçalves (Citroen Saxo S1600) que venceu a corrida de Sábado, mas nem sequer pontuou no Domingo.

Super Car: Joaquim Santos (Ford Focus) e Pedro Matos (Citroen DS3) discutiram a primeira posição e tiveram que ‘ir à negra’, para se saber quem seria o detentor da pole-position na final. Foi Joaquim Santos.

Ana Matos (Mitsubishi Lancer EVO VI) parte da terceira posição, é a senhor melhor classificada e simultaneamente a melhor da Super Nacional 4WD, sendo já virtual campeã da categoria. José Lameiro (Seat Leon) foi quarto, terceiro dos Super Car, à frente de Carlos Pereira (BMW 325 Ix), segundo da Super Nacional 4WD.

Super Buggy: Ludgero Santos (Toniauto TNTT) venceu duas das três corridas de qualificação, deixando espaço par que Rafael Teixeira (Toniauto TT) fosse sempre segundo e dessa forma tivesse igual posição para a final. António Santos (Toniauto TT) ganhou a terceira corrida, mas os dois terceiros na inicial colocaram-no em terceiro para a grelha final.

Kartcross: Pedro Rosário (Semos Bravo ER) e José Luís Pereira (AG Sport) foram os protagonistas da luta pela pole-position. Rosário fez o pleno de vitórias e a primeira posição é do Campeão em título. José Luís Pereira teve no quarto posto, na terceira corrida, como pior resultado e dessa forma foi segundo à frente de Rui Nunes (Semog Bravo).

José Mota (Semog Bravo) encerrou as contas da qualificação em quarto, à frente de José Pinheiro (Semog Bravo ER) e de Pedro Palma (Semog). João Moutinho está definitivamente em ‘dia não’; depois do acidente de Sábado, um capotanço aparatoso, sem consequências para o piloto, colou-o definitivamente fora da prova.



PARTILHAR