Rali de Castelo Branco 2015: Resumo Final

Rali de Castelo Branco 2015: Resumo Final

22

José Pedro Fontes e Miguel Ramalho venceram o Rali de Castelo Branco 2015, depois de garantirem o melhor tempo em todos os seis troços hoje disputados, divididos entre uma manhã com muita chuva e uma tarde com o alcatrão ainda molhado, mas bastante menos traiçoeiro.

Rali de Castelo Branco 2015 - FinalQuanto a João Barros e Jorge Rodrigues, estes não conseguiram traduzir em resultados práticos as segundas passagens por Alvito da Beira (20,28 km), Fórneas/Estreito (29,71 km) e Sarnadas S. Simão (12,32 km), onde pretendiam assumir o comando da prova, terminando a 22,3 segundos dos vencedores. Carlos Martins e Daniel Amaral adoptaram uma toada controlada e completaram o pódio.

Foi uma prova muito difícil, com muita instabilidade meteorológica. Comecei a tarde com pneus de chuva, mas mudei depois para intermédios no penúltimo troço, para conseguir manter-me na frente. Foi uma vitória justa mas quero dar os parabéns ao João Barros pela prova que fez, sempre com um forte andamento” referiu, visivelmente satisfeito, o vencedor desta edição do Rali de Castelo Branco.

Quanto a Barros, mostrou-se à chegada conformado com o 2º lugar, “num rali que globalmente correu muito bem“.

Pelo que estou satisfeito com o resultado. Estou em boa forma mas ainda não tenho a experiência do Zé Pedro“.

Terceiro classificado, Martins resumiu assim o seu rali: “Tentei ser consistente e não cometer erros, pois ainda não tenho o ritmo dos da frente. Apenas ataquei um pouco mais no último troço para garantir o 3º lugar. Missão cumprida!

Sem constestação, Adruzio Lopes/Vasco Ferreira (Subaru Impreza) lideraram de fio a pavio o grupo RC2N, terminando no 5º posto.

Uma manhã complicada, quando optei por pneus para seco, algo que a paragem da prova também não ajudou”, acrescentando ter sido “bem melhor à tarde, com pneus cortados. Parabéns a toda a equipa que fez um bom trabalho”.

Gil Freitas/Jorge Carvalho venceram nos RGT, logo à frente de Marco Cid/Nuno Rodrigues da Silva que alcançaram novo sucesso entre os pilotos das duas rodas motrizes (RC3).

Atacámos de manhã e gerimos o avanço à tarde, aproveitando também alguns azares dos nossos adversários”, disse Cid no último Parque de Assistência.

Miguel Carvalho/Paulo Lopes (Citroën C2) garantiram o 1º lugar nos RC4.

Partilhando com Carlos Silva o cockpit do DS3 R1 do Challenge DS3, Ricardo Sousa coroava o trabalho conjunto com uma vitória no escalão, entre os RC5 e nos Iniciados.

Foi muito difícil pois os troços estavam muito sujos e havia pouca aderência, nomeadamente o último que, apesar de ser o mais curto, foi o mais complicado dos três. Gostaria de dar os parabéns à equipa que me ajudou a conquistar este resultado e que me deu a confiança necessária para saber que posso lutar pelo troféu até final”, referiu no final.

Resumo da 3ª e última secção

Foi em Alvito da Beira 2 (PEC 5 – 20,28 km) que se iniciaram as hostilidades para o CNR, com José Pedro Fontes a defender a magra vantagem para João Barros. Com ambos apostados em alcançar a vitória, foi de apenas 0,6 décimas a diferença que o piloto do Citroën DS5 R5 conseguiu sobre o Ford Fiesta R5. Num asfalto menos molhado e traiçoeiro do que na secção da manhã, Carlos Vieira levou o Porsche 997 a alcançar o 3º melhor tempo.

Já com pneus adequados ao estado dos troços, Ricardo Moura (Ford Fiesta R5) conseguia manter Carlos Martins (Skoda Fabia) atrás de si neste primeiro troço da tarde, enquanto Adruzilo Lopes (Subaru Impreza) voltava a ser o mais rápido nos RC2N. No escalão RC3 essa primazia cabia a Gil Antunes (Renault Clio) e nos RC2 a Joaquim Alves (Skoda Fabia).

Fórneas/Estreito 2 (PEC 6 – 29,71 km) apresentou um escalonamento idêntico ao do troço anterior, com Fontes a alargar a vantagem para Barros em 8,4 segundos e Vieira a repetir o 3º tempo. Já atrás deles a estrutura alterava-se, pois Moura perdia mais de 3 minutos e saía do top-3, vendo-se mesmo impedido de defender a sua até aqui liderança no Nacional de Ralis. Assim, Adruzilo Lopes (Subaru Impreza) alcançava o 4º melhor tempo – o seu melhor resultado em troços nesta edição do Rali de Castelo Branco – à frente de Carlos Martins (Skoda Fabia) que, por seu turno, assumia o 3º lugar da prova.

Marco Cid manteve o controlo nos RC3, deixando Ricardo Marques a 32 segundos, (ambos em Renault Clio), enquanto nos RC4, Renato Pita (Peugeot 208) e Miguel Carvalho (Citroën C2) continuavam a sua luta, agora com vantagem para Pita. Ricardo Sousa continuava a caminhada rumo à vitória no Challenge DS3 R1 e no Grupo RC5.

15,7 segundos era a vantagem de Fontes sobre Barros à entrada do último troço da prova da Escuderia Castelo Branco – Sarnadas S. Simão 2 (PEC 7 – 12,32 km) – que se mostrou suficiente para manter longe do 1º lugar o piloto do Fiesta. Aliás, ela viu-se até dilatada em 6,6s, naquela que foi a 6ª vitória em troços para o piloto do Porto, ficando para Barros os pontos do 2º lugar final e do melhor tempo na Super Especial de ontem.

Acrescente-se que com esta vitória, José Pedro Fontes e Miguel Ramalho ascendem ao comando provisório dos respectivas tabelas de Pilotos e Navegadores do Campeonato Nacional de Ralis 2015, com 6 pontos de vantagem para a dupla Barros/Henriques e 9,5 pontos para Moura/Costa*.

Rali de Castelo Branco // Campeonato Nacional de Ralis
Classificação Final (provisória**)

1º José Pedro Fontes/Miguel Ramalho (Citroën DS 3 R5), a 1h17m51,4s
2º João Barros/Jorge Henriques (Ford Fiesta R5), a 22,3s
3º Carlos Martins/Daniel Amaral (Skoda Fabia S2000), a 3m57,0s
4º Ricardo Moura/António Costa (Ford Fiesta R5), a 5m21,8s (1º RC2N)
5º Adruzilo Lopes/Vasco Ferreira (Subaru Impresa R4), a 5m41,3s (1º RC2N)
6º Joaquim Alves/Pedro Alves (Skoda Fabia S2000), a 6m23,3s
7º Gil Freitas/Jorge Carvalho (Porsche 997 GT3 Cup), a 6m40,3s (1º RGT)
8º Marco Cid/Nuno Rodrigues da Silva (Renault Clio S1600), a 7m52,1s (1º RC3)
9º Miguel Carvalho/Paulo Lopes (Citroën C2 R2 Max), a 9m42,5s (1º RC4)
10º Elias Barros/Alberto Silva (Ford Fiesta R5), a 9m42,9s