Rali da Polónia 2017: Resumo e comentários do 1º Dia da Citroen...

Rali da Polónia 2017: Resumo e comentários do 1º Dia da Citroen Racing

Stéphane Lefebvre foi o sexto mais rápido, tornando-se no melhor classificado entre os piloto dos C3 WCR

44

Citroen Racing - Rali da Polónia 2017 - 1º DiaAmplamente dominadas pelas condições meteorológicas, as classificações no final da primeira etapa do Rali da Polónia não trouxeram grandes resultados para o Citroën Total Abu Dhabi WRT. Contudo, a performance sem erros de Sébastien Lefebvre e os tempos obtidos por Andreas Mikkelsen quando o mau tempo abrandou, constituíram sinais muito positivos.

O 74º Rali da Polónia arrancou na Quinta-feira à noite com uma primeira passagem pela super especial disputada na Mikolajki Arena. Stéphane Lefebvre foi o sexto mais rápido, tornando-se no melhor classificado entre os piloto dos C3 WCR.

Como esperado, a chuva caiu incessantemente desde a madrugada de ontem. Após a assistência, os concorrentes arrancaram para uma ronda de quatro especiais corridas nas estradas florestais de Mazury.

À medida que mais carros iam completando os troços, as condições na estrada foram piorando: formaram-se sulcos e a superfície ficou coberta de uma camada de lama gordurosa e escorregadia. Dados os seus lugares de partida, os pilotos da Citroen sabiam desde o início que não tinham hipóteses de estar entre os primeiros.

Craig Breen foi também traído por um contratempo mecânico: na ES2, um problema na transmissão custou-lhe mais de meio minuto. O piloto irlandês foi forçado a completar as três especiais seguintes num carro com… três rodas motrizes. Durante a ronda matinal, Breen caiu mais de sete minutos.

Dos três pilotos da equipa, Stéphane Lefebvre foi aquele que lidou melhor com as condições. Ao longo da manhã, o jovem francês lutou com Suninen e Evans pelo oitavo lugar.

Em sintonia com o seu colega de equipa durante a maior parte da ronda, apesar de não ter qualquer experiência do C3 WRC nestas condições, Andreas Mikkelsen abrandou o ritmo na ES5. O piloto norueguês partiu parte da suspensão traseira esquerda depois de embater no tronco de uma árvore ao abordar uma curva rápida para a direita. Mikkelsen conseguiu terminar a especial e chegar à assistência e, desse forma, pôde manter-se me prova, mas, nessa altura, estava já com mais de dois minutos de atraso para o comandante.

Durante a assistência intermédia, os mecânicos repararam os carros de Andreas e Craig. Apesar dos esforços da equipa, os trabalhos de reparação excederam o tempo estipulado, e o piloto irlandês saiu com atraso da assistência, recebendo, por isso, uma penalização de 1m e 10s.

Após o cancelamento da ES6 (para não colocar em causa a segurança dos espectadores), a prova prosseguiu com os três troços que restavam e uma segunda passagem pela super especial na Mikiolajki Arena. Desta vez, as condições foram mais consistentes para todos os pilotos.

Na ES7, Andreas Mikkelsen mostrou o que vale ao conquistar o quarto tempo mais rápido. Apesar de um furo na ES9, Mikkelsen continuou a mostrar um bom desempenho ao longo da tarde.

Dado que não disputou a primeira passagem em condições 100% competitivas, Craig Breen não encontrou um andamento capaz de se colocar ao nível dos seus rivais. Breen lutou bastante para reencontrar confiança na sua condução e foi obrigado a adoptar um andamento controlado de forma a evitar cometer quaisquer erros.

No final da etapa de abertura, Stéphane Lefebvre manteve-se como o melhor classificado entre os pilotos da Citroën. Entre as duas passagens (de manhã e à tarde), Lefebvre conseguiu reduzir significativamente a diferença para os pilotos da frente, e terminou o dia no quarto posto.

Hoje, o Rali da Polónia tem a etapa mais longa de todo o fim-de-semana, com nove especiais que totalizam nada menos de 150,802 km.



Comentários

YVES MATTON, DIRECTOR DA CITROËN RACING
“Ontem, assim que vimos as previsões meteorológicas sabíamos que teríamos de lutar bastante para conseguir dar répilica aos pilotos dos primeiros lugares da ordem de partida. O problema que o Craig teve durante a manhã só veio reduzir ainda mais as hipóteses da equipa. Também sabíamos que a informação recolhida durante a ronda da manhã iria ajudar-nos a melhorar nas segundas passagens.

Quando as condições melhoraram um pouco, o Andreas e o Stéphane conseguiram tempos bem encorajadores. Também não nos podemos esquecer que o Andreas nunca conduziu o caro em estradas lamacentas como estas. Apesar das condições traiçoeiras, o Stéphane conseguiu fazer o que esperava dele para hoje. Está a lutar no grupo de perseguição”.

STÉPHANE LEFEBVRE
“Foi uma etapa difícil em termos das condições meteorológicas, mas conseguimos evitar cometer erros de maior. Durante a tarde, nem tudo foi fácil: não andei no ritmo certa na ES7 e a distância do carro ao solo estava muito baixa na ES8. Mas, acima de tudo, estou satisfeito por ter igualado os tempos do Andreas ao longo do dia, e por ter lutado pelo sétimo lugar. Se amanhã o tempo estiver mais seco, acho que podemos subir um ou dois lugares”.

ANDREAS MIKKELSEN
“Esta manhã, foi a minha estreia no carro em estradas lamacentas e foi muito difícil perceber o comportamento do C3 WRC. Fizemos algumas alterações durante a assistência intermédia e isso deu-me mais confiança em termos de motricidade. As condições meteorológicas melhoraram ligeiramente e isso reflectiu-se nos tempos. Estou muito satisfeito com os progressos que fizemos hoje”.

CRAIG BREEN
“Foi um dia terrível. Estava muito motivado em ter um bom fim-de-semana, mas fomos traídos por um problema mecânico na ES2. Na segunda passagem, não consegui sentir confiança no carro. Agora vamos carregar no botão de ‘reset’ e amanhã tudo correrá melhor”.