Racing Weekend 2017: Resumo das corridas em Braga, por Categoria

Racing Weekend 2017: Resumo das corridas em Braga, por Categoria

O Circuito Vasco Sameiro, em Braga, acolheu mais uma jornada Racing Weekend, com corridas a pontuarem para o Campeonato Nacional de Velocidade Turismos (CNVT), TCR Portugal, Campeonato Nacional Legends (LCC), Campeonato Nacional de Clássicos Circuitos (CNCC) e Campeonato Nacional de Clássicos Circuitos 1300 (CNCC 1300).

35

Racing Weekend 2017O Circuito Vasco Sameiro, em Braga, acolheu mais uma jornada Racing Weekend, com corridas a pontuarem para o Campeonato Nacional de Velocidade Turismos (CNVT), TCR Portugal, Campeonato Nacional Legends (LCC), Campeonato Nacional de Clássicos Circuitos (CNCC) e Campeonato Nacional de Clássicos Circuitos 1300 (CNCC 1300).

CNVT – TCR Portugal

Francisco Mora (Seat Leon TCR) venceu a terceira corrida do fim-de-semana, depois de a dominar de fio a pavio. O segundo posto foi posse de Edgar Florindo (Seat Leon TCR), que comandou um grupo bem animado, em que se discutiram as restantes posições do pódio.

Partida: Francisco Abreu (VW Golf) falhou a partida. Francisco Mora (Seat Leon TCR) aproveitou para logo aqui ganhar distância. Edgar Florindo e César Machado passaram para segundo e terceiro, respectivamente. Patrick Cunha (Audi RS3 LMS) teve uma saída na recta, na sequência de um toque e ao regressar à pista tocou no Golf de Francisco Abreu. Gustavo Moura (Seat Leon TCR) foi também ‘apanhado’ na confusão.

2ª volta: Patrick Cunha subiu para o terceiro lugar.

3ª volta: Francisco Mora faz a melhor volta, em 1m 24,304s. No fim da recta da meta Francisco Abreu pressiona César Machado e ganha a posição.

5ª volta: Francisco Mora rodava em primeiro destacado. O segundo posto era discutido por Edgar Florindo, Patrick Cunha e Francisco Abreu, que rodavam completamente colados.

8ª volta: Edgar Florindo destacou-se de Patrick Cunha, que tinha perdido tempo numa travagem. Francisco Abreu passou a pressionar Patrick Cunha. Gustavo Moura teve uma saída nos SS e foi à box.

9ª volta: Francisco Abreu perdeu tempo na travagem para a chicane. Gustavo Moura regressou à pista.

12ª volta (final): Francisco Mora venceu, com 6,256 segundos de vantagem sobre Edgar Florindo. Patrick Cunha foi terceiro, com mais 8,9 segundos. Francisco Abreu terminou a 0,44 segundos, na quarta posição. Quinto posto para César Machado, seguido por João Carvalho, João Sousa e Gustavo Moura.

“Foi praticamente igual às outras, tínhamos a estratégia delineada desde Sexta-feira, desde quando experimentámos os setups e simulámos as corridas: era tentar ao máximo puxar nos primeiros 5/10 minutos para criar uma boa vantagem. Toda a gente podendo, também gosta de fazer isso, nós trabalhámos para isso e felizmente até agora temos conseguido seguir a estratégia que temos delineado e foi bastante bom, criei uma boa vantagem nas primeiras 7 voltas e a partir daí foi gerir para poupar para a ultima corrida, que também é o problema deste fim-de-semana, é ter 4 corridas neste circuito, é bastante complicado para os pneus, temos de fazer uma boa gestão e não podemos forçar a corrida toda senão na ultima corrida vamos sofrer muito e é isso que eu estou a fazer. Tenho ganho mas também pensado na corrida sempre a seguir e para já tem corrido bem, espero que na próxima corrida consiga ganhar outra vez que é para ser praticamente campeão aqui em Braga”, comentou Francisco Mora.

Campeonato Nacional Legends

1ª Corrida
Os homens dos Ford Sierra RS500 colocaram-se na cabeça da corrida. Luís Delgado partia da pole-position, João Novo ‘furava’ da segunda linha e colocava-se em segundo. Discutiam-se os primeiros postos dos PH90. Paulo Sousa (BMW M3 E36) rodava próximo e liderava nos PH99.

A corrida definia-se na frente. Luís Delgado voava para ser o primeiro a cortar a meta, vencia os PH90 e João Novo era o segundo, distanciado e a controlar o andamento. Nuno Silva (BMW 325 ix) seria o terceiro PH90.

Nos PH99 Paulo Sousa era o líder, tanto mais que a oposição, encarnada por Pedro Alves (Citroen Saxo) acabaria a corrida a 34 segundos. Hernâni Conceição (Alfa Romeo 156) era terceiro.

Nos FEUP 3 a luta foi ‘dura’ e Gonçalo Rodrigues só pôde festejar mesmo no fim. A vantagem do Alfa-Romeo 156 de Rodrigues, sobre o 156 de André Martins, que acabaria em segundo, era de 1,3 segundos. Logo de seguida terminava Hélder Moura.

Nos FEUP 2, João Brandão tinha um início de corrida ‘duro’, mas terminaria com algum folga, onze segundos, sobre Miguel Rodrigues, que trazia José Cidrais a dois segundos e meio. Todos estes concorrentes estavam ao volante dos Fiat Punto.

Fernando Cabral (Citroen Saxo) venceu a Categoria Especial e Pedro Monteiro ganhou no 1300.

2ª corrida
Luís Delgado (Ford Sierra RS500) e João Novo (Ford Sierra RS500) voltaram a dominar a cabeça da corrida, desde a partida. Esta situação durou até à sétima volta, altura em que Luís Delgado teve que rumar à box com um furo no pneu traseiro direito. Pouco depois João Novo perdia o comando da prova. O motor partia e a prova do Ford Sierra terminava por aí.

Paulo Sousa (BMW M3) ficava com o caminho aberto para vencer. Ganhava a corrida e os PH99. Pedro Alves (Citroen Saxo) era segundo, na categoria e na geral, seguido de perto por Fernando Cabral (Citroen Saxo), que era o vencedor da Categoria Especial.

Luís Delgado ainda conseguia terminar em quarto e dessa forma ganhava os PH90. Uma volta mais atrás cortava o segundo, Hugo Lisboa (BMW 325ix), seguido de Micael Batista (Peugeot 205 GTI).

Nos FEUP 3 voltámos a assistir a um início de corrida impressionante com os oito Alfa-Romeos 156 a rodarem em pelotão compacto. Como evoluir das voltas, André Martins consolidou a primeira posição, à frente de António Ferreira e de José Monteiro.

Nos FEUP 2 Pedro Sousa levou a melhor. Também aqui houve um início de corrida bem animado, mas para o fim a distância entre o primeiro e o segundo, Marco Félix, foi da odem dos 20 segundos. Pedro Carvalho foi o terceiro dos Fiat Punto.

Resta a 1300 e mais uma vez Pedro Monteiro (Peugeot 106) ganhou.

CNCC 1300

1ª corrida
Luís Alegria (Datsun 1200) e José Fafiães (Datsun 1200) partilhavam a primeira linha da grelha de partida. Ao ligar do semáforo, Fafiães estava na frente, mas Alegria rodava colado, pouco depois invertiam-se as posições e antes ainda de se concluírem duas voltas, Fafiães regressava ao comando.

Se era assim na frente, o terceiro posto não era pior. Arnaldo Marques (Datsun 1200) trazia o Mini de Filipe Nogueira completamente colado à traseira e a luta pelo mais baixo do pódio estava a dar óptimo espectáculo. Carlos Cruz (Datsun 1200) aproveitava para se colar a este grupo.

Entretanto, o motor do Mini de Nogueira começava a não dar todo o rendimento necessário, Cruz ganhava um lugar e uma volta depois o Mini ficava fora de combate.

Na frente continuava a luta Fafiães/Alegria pelo primeiro lugar. Era assim, com a corrida a meio, altura em que também começavam a acontecer as primeiras dobragens. No grupo dos seis da frente, entravam João Braga (Datsun 1200) e Fernando Carneiro (Mini 1275 GT), que regressou à actividade depois de um período de paragem.

Já quase com a meta à vista, a luta pela liderança intensificava-se e José Fafiães tinha se aplicar para ‘aguentar’ Alegria no segundo lugar. Esta luta foi assim até ao momento em que um pião de Fafiães arrumou a questão a favor de Luís Alegria, que ganhava a corrida e os H75, à frente de José Fafiães.

Arnaldo Marques era o terceiro a cortar a meta e o melhor dos H71, à frente de Carlos Cruz.

João Braga foi quinto, terceiro H75 e Paulo Miguel (MG Midget) conseguiu o restante lugar do pódium dos H75, depois de na fase final da corrida ganhar uma posição a Fernando Carneiro.

Abel Marques (Autobianchi A112 Abarth) ganhou a Taça 1000. Rui Castro e Luís Costa levaram os Datsun 1200 ao primeiro e segundo postos dos Grupo 1, respectivamente.

2ª corrida
O início da segunda corrida, foi em tudo semelhante ao início da anterior. José Fafiães (Datsun 1200) e Luís Alegria (Datsun 1200) voltaram a colocar-se na dianteira e a travar uma espécie de guerra sem quartel pelo primeiro lugar.

Arnaldo Marques (Datsun 1200) era o terceiro, mas uma saída de frente na chicane atrasava-o e deixava o caminho aberto para que Carlos Cruz passasse para terceiro.

João Braga (Datsun 1200) rodava em quarto, seguido de muito perto por Fernando Carneiro (Morris Mini 1275 GT).

A três minutos do fim, José Fafiães, teve uma saída um pouco mais larga, que o levava à terra, perdia tempo e logo depois saía mesmo de pista. Luís Alegria seguia para uma vitória certa, tanto mais que Fafiães perdia quase 20 segundos, com a saída. Perdia a liderança, mas ainda mantinha o segundo posto.

Luís Alegria e José Fafiães dominaram assim a corrida e os H75. Carlos Cruz (Datsun 1200) foi terceiro a cortar a meta, e venceu os H71. João Braga foi quarto à geral, terceiro nos H75. Fernando Carneiro terminou em quinto, à frente de Paulo Miguel (MG Midget), segundo dos H71.

Ruis Castro e Luís Costa, ambos em Datsun 1200, foram respectivamente primeiro e segundo classificado no Grupo 1.

CNCC

João Pedro Silva (Porsche 911 RSR) foi ‘engolido’ pela armada Ford Escort na partida. Joaquim Jorge arrancava melhor, do segundo posto, mas Carlos Vieira, que até vinha um bocado mais de lá de trás assumia o comando na travagem para a primeira curva.

De seguida, Joaquim Jorge lançava o ataque, que o colocava na frente da corrida. Rui Azevedo aproveitava a ‘boleia’ e passava para segundo, enquanto Carlos Vieira ficava a defender-se de João Pedro Silva. Com quatro voltas corridas o homem do Porsche leva a melhor sobre o homem do Escort e João Pedro Silva era agora o terceiro.

A segunda metade da corrida era marcada por João Pedro Silva, que entrava em ‘modo de ataque’ e ganhava primeiro o lugar de Rui Azevedo e de seguida o de Joaquim Jorge, que passava para segundo. No entanto, JJ não baixava os braços e rodava ‘colado’ à traseira do Porsche. Só mesmo com o baixar da bandeira xadrez é que a classificação ficava definida.

Na geral já vimos que João Pedro Silva venceu, com Joaquim Jorge em segundo e Rui Alves em terceiro. Esta foi também a classificação do H75.

Filipe Matias (Lotus Elan +2) venceu os H71 e beneficiou ainda da desistência de Carlos Vieira, com problemas no Ford Escort, para ser quarto da geral, à frente do vencedor do Grupo 5, Bernardino Silva (Ford Escort 2000) e de Duarte Formiga (Ford Escort MKII), também de grupo 5. Assim, o segundo posto dos H71 foi posse de Joaquim Soares (Lutos Elan).

No Grupo 3 a vitória foi de Gonçalo Jordão (Porsche 928). No Grupo 1 o vencedor foi João Cruz (BMW 323i) e Fernando Xavier ganhou nos H81.