Mundial de Laser Run conta com quatro representantes portugueses

Mundial de Laser Run conta com quatro representantes portugueses

A comitiva portuguesa no Mundial de Laser Run 2017 será composta por Beatriz Sequeira, nos Sub-15; Laura Taborda e Eduardo Oliveira, nos sub-19; e João Peres nos Master 40+.

18

Mundial de Laser Run 2017 - Cape TowmA Selecção Nacional portuguesa vai participar, entre os dias 13 e 15 de Outubro, no Campeonato do Mundo de Laser-Run que se irá realizar na África do Sul. Este será a terceira edição da prova, depois de Perpignan (França) e Lisboa terem recebido as primeiras edições da competição.

A comitiva portuguesa será composta por Beatriz Sequeira, nos Sub-15; Laura Taborda e Eduardo Oliveira, nos sub-19; e João Peres nos Master 40+.

A ambição para esta prova é grande e para Manuel Barroso, Presidente da Federação Portuguesa do Pentatlo Moderno (FPPM), “apesar de pequena, a Selecção Portuguesa tem bastante valor e pode mesmo aspirar a trazer medalhas da África do Sul”.

Sendo ainda uma modalidade em crescimento, Manuel Barroso recorda que Portugal já tem algum historial no Laser-Run.

“Em 2015, quando a Maria Miguéis se sagrou campeã do mundo de sub-17, a fasquia ficou bem alta, mas isso é sempre positivo porque demonstra aos outros atletas que com trabalho e determinação nada é impossível de alcançar”.

Criado em 2014, o Laser-Run é uma vertente do Pentatlo Moderno que combina duas das suas modalidades: corrida e tiro a laser. A distância a percorrer, bem como o número de metros a que o alvo se encontra do atleta, varia consoante o escalão em que a modalidade é praticada.

Apto para praticantes a partir dos 6 anos de idade, é um formato desportivo criado no seio da União Internacional do Pentatlo Moderno (UIPM), possuindo desde uma dimensão Lúdica e Recreativa, de Saúde e Bem-Estar, até Condição Física ou Competição.

O que torna esta modalidade atractiva e desafiante é a necessidade de articular a vertente física e atlética da corrida com a vertente técnica e psicológica do tiro. Se a parte do running envolve exigências ao nível da resistência e da condição física geral, a parte de tiro apela à concentração, ao controlo das emoções e depende da atitude mental.