Mini Transat: Velejador português parte em solitário pelo Oceano Atlântico

Mini Transat: Velejador português parte em solitário pelo Oceano Atlântico

151

O velejador António Fontes está prestes a participar na Mini Transat, uma regata em solitário, em que vai estar 30 dias sozinho no mar, iniciando a travessia em França a 19 de Setembro e terminando em Guadeloupe, nas Caraíbas, no final de Novembro.

Contando com o apoio da Meritis – Associação de Apoio a Jovens, António Fontes é o segundo português a participar numa Mini Transat, prova em que se percorre 4.000 milhas num barco à vela de 6.5 metros, sem assistência e comunicação, dependendo exclusivamente do skipper.

O atleta, campeão em Match Racing, partiu a 29 de Agosto para Douarnenez (França), local onde se encontra a fazer a preparação do barco e onde vai participar no prólogo da Mini Transat. A 19 de Setembro inicia a prova, deixando essa região em direcção a Lanzarote (Arrecife), onde deve chegar entre 25 de Setembro e 4 de Outubro.

Segue-se uma curta estadia em Lisboa, de 10 a 22 de Outubro, voltando depois à ilha espanhola para o prólogo da segunda etapa. Daí, fará a largada em direcção a Point-a-Pitre, em Guadeloupe, onde conclui a competição no final de Novembro.

Portugal é um país de navegadores, mas não tinha até agora representação nas regatas oceânicas mundiais. Para lá chegar é precisar formar uma nova geração e a Mini Transat é a plataforma ideal para essa formação. Muitos dos grandes navegadores da actualidade começaram as suas carreiras neste tipo de travessia”, destaca António Fontes.

António Fontes – Principais destaques de carreira

* 2015 – 3º Lugar na regata AIR Valência
* 2014 – 6º Lugar na regata Les Sables- Les Açores – Les Sables
* 2012 – 3º Lugar no Campeonato Europeu de Match Racing
* 2010 – 3º Lugar no Campeonato Europeu de Match Racing
* 2009 – 1º Lugar na regata 200:2
* 2007 – 3º Lugar na Copa del Rey classe IMS
* 2006 – 1º Lugar na regata 200:2

Meritis – Associação de Apoio a Jovens

A Meritis foi fundada a 16 de Julho de 2013 pelos irmãos Pedro e Nuno Couceiro, juntamente com 40 personalidades reconhecidas das mais diversas áreas da sociedade desportiva e artística. A sua principal missão é detectar jovens com potencial de desenvolvimento nas suas carreiras e proporcionar-lhes as condições para a concretização dos seus objectivos, seja no desporto, nas artes ou na cultura – evitando assim que por pequenos ‘nadas’ se percam grandes valores para a sociedade portuguesa.