Liga NOS: Belenenses empata com V. Setúbal e ficam ambos na segunda...

Liga NOS: Belenenses empata com V. Setúbal e ficam ambos na segunda metade da classificação

As duas equipas até podem terminar a ronda numa posição muito incomoda, o mesmo é dizer, na zona que dita a descida de divisão no final da época.

32

Liga NOSO Belenenses empatou (1-1) com o V. Setúbal, em encontro a contar para a 4ª Jornada da Liga NOS 2017/2018, disputado na noite desta 6ª Feira no Estádio do Restelo, em Belém.

Depois da goleada sofrida no Estádio da Luz, num desafio em que os “azuis” foram muito criticados por não darem o seu melhor frente ao “amigo” Benfica (as duas direcções dão-se maravilhosamente bem e os presidentes Luís Filipe Vieira e Patrick Morais de Carvalho são “amigos do peito”), o técnico Domingo Paciência voltou à táctica normal e rejeitou qualquer facilitismo.

Já o V. Setúbal, depois do saboroso empate contra o D. Chaves, queria começar uma “onda” de vitórias, pois a equipa está cada vez mais atrasada na luta pela manutenção (à partida para esta ronda, os sadinos estavam na modesta 13ª posição).

O encontro foi por isso muito equilibrado até aos 20 minutos, altura em que Domingos Paciência “trai” José Couceiro e “ajuda” o pai Domingos Paciência ao marcar um golo na própria baliza, colocando o Belenenses em vantagem, para natural alegria dos cerca de 50 adeptos presentes nas bancadas de um “despido” Restelo.

Até ao intervalo, e motivados pelo golo, os “azuis” tentaram chegar ao 2-0 e quase que o iam conseguido aos 30 minutos, depois de o árbitro assinalar uma grande penalidade, por uma alegada falta de João Teixeira sobre Roni, em plena grande área.

Depois de muita confusão e discussão e quando já o Belenenses se preparava para marcar o penalty, o árbitro recebe uma comunicação do vídeo-árbitro e interrompe o jogo para ir ver as imagens.

Estas não são muito conclusivas, mas parece haver uma mão nas costas do jogador “azul” e o lance é muito parecido com aquele em que Bas Dost (Sporting) foi protagonista, num jogo curiosamente também frente aos sadinos.

Na altura, o árbitro assinalou grande penalidade e depois de revistas as imagens manteve a sua decisão, mas nesta noite o juiz considerou que não havia falta e por isso o jogo prosseguiu com bola ao solo.

Claro que damos o benefício da dúvida ao árbitro, mas em duas situações parecidas, duas decisões completamente diferentes e mais uma crítica ao vídeo-árbitro, que certamente não anda a funcionar muito bem.

Ao intervalo, o resultado era de 1-0 a favor do Belenenses, mas os sadinos depois do valente susto prometiam uma outra atitude, pois também estavam interessado em “matar o bo0rrego” (desde 2009 que os sadinos não ganham no Restelo).

A segunda metade foi realmente dominada pelo V. Setúbal, que conseguiu “apertar” com o Belenenses, remetendo a equipa “azul” para o seu último reduto, deixando Domingos Paciência verdadeiramente preocupado.

Aos 81 minutos, o árbitro assinala livre directo a favor do conjunto sadino (depois de uma falta sobre Rafinha) e na cobrança do castigo, Nuno Pinto coloca a bola na baliza, para “gáudio” dos cerca de 30 adeptos, que fizeram uma festa tremenda num dos topos do Estádio do Restelo.

Ainda antes do fim da partida, mais uma polémica devido a um lance na grande área do Belenenses que deixa muitas dúvidas: parece que André Geraldes corta a bola com o braço (grande penalidade a favor do Belenenses), mas o árbitro manda jogar e nem sequer recorre ao vídeo-árbitro.

No final da partida, que terminou imediatamente após este polémico lance, José Couceiro e André Geraldes trocam algumas impressões e o técnico sadino ainda dá algumas “pancadinhas” (vulgo calduços) na nuca do jogador “azul”.

Depois deste resultado, Belenenses e V. Setúbal continuam na segunda metade da tabela classificativa e podem terminar a ronda numa posição muito incomoda, o mesmo é dizer, na zona que dita a descida de divisão no final da época.