Liga de Clubes: Mário Figueiredo nega subserviência ao Benfica durante o seu...

Liga de Clubes: Mário Figueiredo nega subserviência ao Benfica durante o seu mandato

Mário Figueiredo diz ainda que "em 2014, Luís Filipe Vieira criticou duramente a Liga de Clubes porque estava desagradado pelas acções disciplinares feitas contra ele e contra o Benfica".

66

Mário FigueiredoO antigo Presidente da Liga de Clubes, Mário Figueiredo, reagiu esta 4ª Feira, às acusações de subserviência ao Benfica durante o seu mandato, feitas por Francisco J. Marques, director de comunicação do FC Porto.

Em comunicado, o antigo dirigente refere que “a Liga sempre foi independente e tratou todos os clubes de igual forma; durante o meu mandato, houve vários problemas entre a Liga e o Benfica, por isso quem fala de subserviência, age de má fé”.

Mário Figueiredo diz ainda que “em 2014, Luís Filipe Vieira criticou duramente a Liga de Clubes porque estava desagradado pelas acções disciplinares feitas contra ele e contra o Benfica”.

Aprofundando a questão, o ex-líder da Liga explicou que “na altura, até disse a Luís Filipe Vieira para ter calma, porque a Comissão de Instrução e Inquéritos (CII) ia avaliar a situação, mas ele nem quis saber; depois acabou por ser condenado e disse porque é que não tinha acontecido o mesmo a António Salvador [Presidente do Sp. Braga], que estava envolvido num caso semelhante; disse ainda que estávamos a voltar ao tempo do Apito Dourado e dos favorecimentos ao FC Porto”.

“A Liga não fez mais que a sua obrigação utilizando os poderes que lhe eram conferidos pelos Estatutos e Regulamentos; acusou disciplinarmente quem tinha de acusar e o Benfica até se queixou de perseguição”.

Mário Figueiredo terminou as suas declarações dizendo que “tais acusações são o desespero do FC Porto a falar mais alto, pois só agora quando já passaram 2 Presidentes pelo organismo é que falam, e só agora porque estão há 3 anos sem ganhar títulos”.

“Ninguém pode caracterizar o actual estado do futebol português com o que se passou em 2014 e nos anos anteriores, não é normal”, rematou Mário Figueiredo sobre o tema que marca a actualidade futebolística no nosso país.