GP do Mónaco 2017: Resumo da Qualificação da Haas F1 Team

GP do Mónaco 2017: Resumo da Qualificação da Haas F1 Team

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, qualificaram-se em oitavo e décimo-terceiro, respectivamente, para o Grande Prémio do Mónaco que se disputa no Domingo, no Circuit de Monaco

63

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, qualificaram-se em oitavo e décimo-terceiro, respectivamente, para o Grande Prémio do Mónaco que se disputa no Domingo, no Circuit de Monaco. Magnussen, porém, arrancará de décimo primeiro devido às penalizações na grelha de partida sofridas por Jenson Button e Stoffel Vandoorne. Button qualificou-se no nono posto, mas tem uma penalização de quinze lugares, ao passo que Vandoorne qualificou-se no décimo posto, mas tem uma penalização de três posições.

Magnussen registou o nono crono na Q1 com uma volta de 1m13,531s ao circuito de 3,337 quilómetros e dezanove curvas. Grosjean ultrapassou um pião em Mirabeau (Curva 5), onde manteve o seu Haas VF-17 longe dos muros e fora do caminho dos outros carros. Acabou por conseguir registar o décimo segundo tempo com uma volta realizada em 1m13,786s. Ambos os pilotos avançaram para a Q2, uma vez que apenas os quinze mais rápidos da Q1 passam ao segundo segmento da qualificação.

Na Q2, Grosjean assegurou o sexto tempo, 1m13,203s. Magnussen parecia capaz de se juntar ao seu colega de equipa, até que um conjunto de factores conspiraram para o deixar no décimo terceiro lugar com a marca de 1m13,959s. Na sua última volta lançada da Q2, Magnussen foi prejudicado pelo Mercedes de Lewis Hamilton. Tudo ficou perdido quando surgiram duplas bandeiras amarelas, faltavam doze segundos para o final da sessão, depois de Vandoorne ter embatido no rail da Curva 15, quando descrevia o complexo das piscinas. Apenas os dez primeiros da Q2 passam para a Q3.

Na Q3 pela quinta vez como piloto da Haas F1 Team e terceira esta temporada, Grosjean assegurou a sua segunda melhor qualificação do ano. A sua melhor volta, 1m13m349s, colocou-o no oitavo posto, um lugar melhor que o seu resultado no Bahrein e a duas posições da sua melhor qualificação da temporada, o sexto posto que alcançou na prova de abertura, na Austrália.

Tanto Grosjean como Magnussen rodaram exclusivamente com pneus Pirelli P Zero Roxo/Ultramacio durante a qualificação. A Scuderia Ferrari monopolizou a primeira linha para o Grande Prémio do Mónaco. Kimi Raikkonen assinou a melhor volta de sempre no Mónaco, com uma marca de 1m12,178s, o que lhe valeu a pole-position e deixou o seu colega de equipa, Sebastian Vettel, a 0,043s.

Esta é a décima sétima pole-position de Fórmula 1 da carreira de Kimi Raikkonen, mas a sua primeira desde o Grande Prémio de França de 2008, que se realizou em Magny-Cours, há cento e vinte e oito corridas. É a primeira primeira linha da Ferrari desde o Grande Prémio do Mónaco de 2008, quando Felipe Massa assegurou a pole-position, batendo Kimi Raikkonen.

Antes da qualificação, Grosjean, Magnussen e o resto do pelotão de Fórmula 1 participaram na terceira sessão de treinos-livres com o intuito de afinarem os seus respectivos carros para realizar uma volta rápida à pista. Ambos os pilotos realizaram o mesmo programa ao longo da sessão de sessenta minutos, efectuando uma volta de instalação com pneus macios para depois mudarem para ultramacios, para simular a qualificação.

Magnussen assegurou o nono posto, ao marcar o seu tempo, 1m13,596s, na décima-sexta de vinte e uma voltas. Grosjean completou vinte e três voltas e assegurou o seu registo, 1m14,547s, na décima-segunda volta, o que o deixou no décimo sexto posto.

Vettel foi o mais rápido na terceira sessão, tendo o seu tempo, 1m12,395s, deixado o seu perseguidor, Raikkonen, a 0,345s.



Comentários

Romain Grosjean (#8)
“Foi uma boa sessão de qualificação. O carro estava um pouco imprevisível, mas eram os pneus. Estavam a funcionar, mas de repente deixaram de funcionar, tanto à frente como atrás. O carro estava a mudar a cada volta. Estava com algumas dificuldades, dado que gosto de ter um carro equilibrado e que consiga entender, mas acabei por conseguir fazer uma volta decente na Q1 e passei. Na Q2 realizei uma boa volta, os pneus funcionaram correctamente, mas na Q3 nem tudo funcionou bem com os pneus traseiras. Seja como for, estamos entre os dez primeiros, que era o que queríamos. É um bom lugar para começar a corrida”.

Kevin Magnussen (#20)
“Não consegui arranjar uma volta limpa na Q2. Tive tráfego na minha volta de saída, na primeira volta, na segunda volta e, depois, na quarta. Portanto, não consegui fazer qualquer volta limpa e essa não é a forma de passarmos à fase seguinte, mas o tráfego aqui é normal – muito típico no Mónaco. Ter apenas uma volta limpa na Q1 e na Q2 sem tráfego é muito azar. É aborrecido e frustrante, dado que estava satisfeito com o carro. Tínhamos o ritmo para termos um bom resultado. Poderíamos ter chegado à Q3. Olhando para todos os outros que foram desafortunados, poderia ser um bom resultado, mas foi assim. Vamos ver se conseguimos recuperar na corrida”.

Guenther Steiner (Team Principal)
“Foi um bom dia. Iniciar o Monte Carlo de oitavo e de décimo-primeiro, tudo pode acontecer. Todo o fim-de-semana até à qualificação correu bem. Todos realizaram um trabalho fantástico, os pilotos, os mecânicos e os engenheiros. Estávamos bem preparados para a qualificação. O único infortúnio foi o Kevin ter encontrado muito tráfego. Nunca pôde dar o seu melhor, tinha o Q3 ao seu alcance, também. Mas já sabemos, o Mónaco é assim. Sabemos que seria difícil, portanto, por vezes vencemos, outras perdemos. Amanhã, vamos dar o nosso máximo para terminarmos com ambos os carros entre os dez primeiros”.