GP do Azerbaijão 2017: Resumo dos treinos da Haas F1 Team

GP do Azerbaijão 2017: Resumo dos treinos da Haas F1 Team

As duas sessões de treinos-livres no circuito de 6,003 quilómetros e vinte curvas foram dramaticamente distintas. Felizmente, os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, conseguiram evitar qualquer incidente em ambas as sessões

35

VF-17 da Haas F1 TeamO oitavo round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 iniciou-se esta Sexta-feira no Baku City Circuit, no Azerbaijão, tendo as equipas iniciado a preparação para o Grande Prémio do Azerbaijão, que se disputa no Domingo.

As duas sessões de treinos-livres no circuito de 6,003 quilómetros e vinte curvas foram dramaticamente distintas. A primeira sessão correu sem problemas de maior para os vinte pilotos, ao passo que na segunda foram inúmeros os choques com os muros, sobretudo na Curva 8. Felizmente, os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, conseguiram evitar qualquer incidente em ambas as sessões.

Magnussen completou vinte e três voltas na primeira sessão, tendo o seu melhor tempo surgido na décima volta – 1m46,721s – quando montava pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio, o que o colocou no décimo segundo posto. Grosjean seguiu o seu colega de equipa com o décimo terceiro registo – 1m46,837s – alcançado na sua vigésima segunda passagem pela meta, das vinte e duas voltas que completou. O seu crono foi também obtido com borrachas macias. Ambos os pilotos começaram a sessão com uma volta de instalação solitária com pneus médios, para depois mudaram para macios, que mantiveram até à bandeirada de xadrez.

O piloto da Red Bull, Max Verstappen, liderou a primeira sessão, 1m14,410s, deixando o segundo mais rápido, o seu colega de equipa Daniel Ricciardo, a 0,470s.

Enquanto os pilotos e equipas refinavam as afinações dos seus respectivos carros, os tempos foram caindo na segunda sessão. Mas com o incremento de rapidez surgiram maiores exigências para os travões. O caso mais evidente foi o de Romain Grosjean, que teve dificuldades com o equilíbrio da travagem ao longo da segunda sessão. Tudo conspirou para que Grosjean terminasse no vigésimo posto da tabela de tempos com vinte e duas voltas completadas. A sua melhor volta – 1m47,722s – foi realizada na quarta passagem pela meta depois de ter montado pneus macios.

Magnussen, por seu lado, registou trinta e três voltas numa sessão muito produtiva que o colocou no décimo quarto lugar. O seu melhor crono, 1m45,831s, surgiu na décima terceira volta, com pneus supermacios.

Verstappen ficou uma vez mais no topo da classificação com a marca de 1m43,362s, que deixou o segundo mais rápido, Valtteri Bottas da Mercedes, a 0,100s. No entanto, a segunda sessão teve um fim prematuro, uma vez que Verstappen despistou-se, embatendo nas barreiras na Curvas 1 nos derradeiros minutos de actividade.

Ao contrário das sessões de treino-livres dos Grandes Prémios anteriores, onde os recordes caíram, o recorde do Baku City Circuit, 1m42,520s, de Nico Rosberg, manteve-se. Isso deve-se aos carro de menor apoio aerodinâmico do ano passado que produziam mais velocidade de ponta, ao passo que os carros de hoje, de elevado apoio aerodinâmico, não são tão rápidos nas rectas. O Baku City Circuit tem duas rectas enormes – uma de 2,2 quilómetros, a recta da meta, e outra de um quilómetro. Apesar da actual geração de carros ser muito mais rápido nas curvas, isso não foi o suficiente para contrariar o que perdem em recta, pelo menos para já.

Os pilotos da Haas F1 Team, entre eles, completaram cem voltas – cinquenta e seis através de Magnussen e 44 através de Grosjean.



Comentários

Romain Grosjean (#8)
“Foi uma tarde frustrante – estava sem feeling. Não há muito que possa dizer, para ser honesto. Não tinha feeling no carro. Obviamente, temos que analisar bem as coisas, dado que perdemos a sessão da tarde. Temos muito trabalho pela frente, mas esperamos podermos focar-nos, identificar os problemas e resolvê-los”.

Kevin Magnussen (#20)
“Hoje não foi muito mau. Tivemos um dia decente. Temos muito que analisar. Esta pista é muito especial e única, portanto, vamos ver se conseguimos recuperar o carro para amanhã. É uma pista muito divertida. Há muito para fazer e estamos a melhorar a cada volta. É bom poder fazer algumas voltas sem problemas no carro. Estou satisfeito com o dia”.

Guenther Steiner (Team Principal)
“Tivemos uma boa sessão de manhã, mas de tarde tivemos algumas dificuldades. Entre o tráfego, ir em frente, não ter feeling no carro – é como se tudo tivesse começado novamente. Temos que ver o que se alterou entre a primeira e a segunda sessões. Os rapazes têm uma noite de trabalho pela frente, mas vamos ver o que podemos fazer amanhã”.