GP da Bégica 2017: Resumo da Corrida da Haas F1 Team em...

GP da Bégica 2017: Resumo da Corrida da Haas F1 Team em Spa-Francorchamps

A Haas F1 Team assegurou um bom resultado nos pontos este Domingo no Circuit de Spa-Francorchamps, com o piloto Romain Grosjean a terminar o Grande Prémio da Bélgica no sétimo posto.

42

VF-17 da Haas F1 TeamA Haas F1 Team assegurou um bom resultado nos pontos este Domingo no Circuit de Spa-Francorchamps, com o piloto Romain Grosjean a terminar o Grande Prémio da Bélgica no sétimo posto. O seu colega de equipa, Kevin Magnussen, parecia poder juntar-se a Grosjean no top-10, até que seguiu em frente na chicane no final da trigésima terceira volta, caindo de nono para décimo sétimo.

Este resultado nos pontos foi crucial para o segundo ano da Haas F1 Team, uma vez que o meio do pelotão está ainda mais competitivo, depois da Bélgica. A Haas F1 Team continua no sétimo posto do Campeonato de Construtores, mas ganhou terreno à sexta classificada, a Toro Rosso, apesar ter perdido algum para a oitava classificada, a Renault.

Nico Hulkenberg foi capaz de manter o seu Renault à frente de Grosjean, no sexto posto. A Haas F1 Team chegou à Bélgica com uma margem de três pontos para a Renault, mas a equipa americana deixa Spa-Francorchamps apenas com um ponto de vantagem. Por outro lado, a Toro Rosso tinha dez pontos de vantagem, mas agora tem apenas cinco, uma vez que Carlos Sainz terminou na décima posição. A quinta classificada, a Williams, viu a sua vantagem para a Haas F1 Team diminuir de dezasseis para dez pontos, uma vez que apenas Felipe Massa chegou aos pontos.

Neste momento, a Haas F1 Team ostenta trinta e cinco pontos, ultrapassando com facilidade os vinte e nove pontos conquistados na sua temporada de estreia.

Depois da bandeirada de xadrez do quinquagésimo Grande Prémio da Bélgica, que foi realizado em Spa, Grosjean entrou em contacto com a equipa via rádio para dizer “dei tudo o que tinha”. Os quatro lugares que ganhou no arranque, depois de alinhar no décimo primeiro posto, foram determinantes.

Grosjean teve ainda que ultrapassar o seu colega de equipa, após Magnussen colocar-se à sua frente na primeira curva do circuito de 7,004 quilómetros e dezanove curvas. Enquanto Magnussen lutava com o Force India de Sérgio Pérez, Grosjean lutava roda com roda com Hulkenberg. Depois da primeira volta, Magnussen era décimo-primeiro e Grosjean era décimo-segundo.

Grosjean foi capaz de recuperar o seu lugar a Magnussen na quarta volta, antes de entrar nos dez primeiros duas voltas depois, com uma poderosa ultrapassagem ao McLaren de Fernando Alonso na longa recta que antecede a Curva 5.

Quando Max Verstappen terminou o seu dia na oitava volta, devido a problemas no seu Red Bull, Grosjean subiu ao nono posto e Magnussen a décimo-primeiro.

Tanto Magnussen como Grosjean iniciaram a corrida com pneus Pirelli P Zero Roxo/Ultramacio, e, quando estavam cumpridas nove voltas, Magnussen avisou a equipa através do rádio que “temos que mudar estes pneus. Podemos colocar ambos os carros nos pontos se tirarmos estes pneus”.

A Haas F1 Team tomou nota desta sugestão, trazendo para as boxes Magnussen no final da décima volta, montando um novo jogo de pneus macios. Grosjean fez o mesmo na décima-primeira volta, montando no seu VF-17 pneus macios novos. Isto deixou Grosjean no décimo-terceiro lugar e Magnussen no décimo-quarto.

Graças a uma pilotagem experiente, potenciada pelas estratégias diversas empregadas das outras equipas, Grosjean estava de regresso aos dez primeiros na décimo-quarta volta.

Quando o nono classificado parou nas boxes, Carlos Sainz da Toro Rosso, estavam decorridas dezanove voltas, Grosjean subiu uma posição e Magnussen, que recuperou até décimo-primeiro antes de Sainz entrar nas boxes, herdou o décimo posto.

Na vigésima quinta volta, Pérez cumpriu uma penalização de cinco segundos por ter ultrapassado os limites da pista para ultrapassar Grosjean. Isto levou Grosjean para o oitavo lugar e Magnussen para nono.

O sétimo classificado, Esteban Ocon, entrou nas boxes com o seu Force India na vigésima-sétima volta, o que permitiu a Grosjean subir a sétimo. Magnussen manteve-se em nono.

Na trigésima volta surgiu uma situação de Safety-Car, quando os dois Force India se tocaram ao lutar por posição na descida para Eau Rouge. Pérez ficou com o pneu traseiro/direito furado depois de contacto com o lado direito da asa dianteira do Ocon. A superfície da pista ficou cheia de detritos, o que necessitou de uma situação de Safety-Car para conter o pelotão enquanto os comissários de pista limpavam a pista.

A Haas F1 Team tirou partido da oportunidade para chamar os seus pilotos às boxes e trocar os pneus macios que usavam por supermacios novos. O duo regressou à corrida com as suas posições na pista intactas e pareciam capazes de garantir posições nos pontos. Mas quando a corrida recomeçou, na trigésima-terceira volta, Magnussen seguiu em frente na última chicane.

“Bloqueei ambas as rodas, devido aos travões estarem frios, assim como os pneus, quando chegámos à última curva ainda com Safety-Car”, disse Magnussen.

Isto enviou Magnussen para o décimo-sétimo lugar e, com nada a perder, a equipa chamou-o às boxes para montar um novo jogo de pneus ultramacios, os mais aderentes do catálogo da Pirelli. Isto permitiu que Magnussen atacasse nas últimas dez voltas, o que ele fez, ganhando duas posições para terminar em décimo-quinto.

Grosjean manteve o seu sétimo lugar do reinicio até ao fim, contendo o Williams de Felipe Massa atrás de si e Hulkenberg no horizonte.

Lewis Hamilton, que arrancou da pole-position, venceu o Grande Prémio da Bélgica. O piloto da Mercedes conquistou a sua quinquagésima oitava vitoria na Fórmula 1, a sua quinta da temporada e a sua terceira em Spa. Hamilton deixou Sebastian Vettel, da Scuderia Ferrari, a 2,358s. Este triunfo impulsionou Hamilton na luta do título, uma vez que reduziu a sua desvantagem para Vettel em sete pontos, que actualmente é de sete.

Grosjean tem agora vinte e quatro pontos e Magnussen onze, estando em décimo-segundo e décimo-quarto, respectivamente, no Campeonato de Pilotos.

Faltam ainda oito corridas para terminar o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017, sendo o próximo evento o Grande Prémio de Itália, que se realiza no Autodromo Nazionale di Monza nos dias 1 a 3 de Setembro.

Comentários

Romain Grosjean (#8)
“Foi uma grande corrida. Neste momento, estou muito cansado. Sabíamos que poderíamos estar perto dos dez primeiros, mas não sabíamos que poderíamos estar entre eles. Depois de algumas voltas o carro parecia estar bem. Não tive um grande arranque, mas dei o máximo. Estávamos com um bom controlo da degradação nos pneus ultramacios. Tínhamos uma paragem planeada. Vi que a Force India ia para duas paragens e pensei que, se eles não ganhassem muita vantagem, estaríamos bem.

O Safety-Car entrou em pista e, então, tentei tudo para apanhar o Renault à minha frente, mas era um pouco mais rápido. Estou muito satisfeito com a equipa, muito orgulhoso. Depois da primeira sessão pensei que seria muito difícil, mas recuperámos bem. Precisamos apenas de ser mais consistentes com a janela de funcionamento dos pneus, as afinações, e manter-nos lá ao longo de todo o fim-de-semana”.

Kevin Magnussen (#20)
“Bloqueei ambas as rodas, devido aos travões estarem frios, assim como os pneus, quando chegámos à última curva ainda com Safety-Car. Poderíamos ter terminado os dois nos pontos, este fim-de-semana. Tenho apenas que dar o meu melhor no próximo fim-de-semana, e compensar. Obviamente, eu sou quem está menos satisfeito por não ter marcado pontos com o Romain, mas é um pouco difícil de engolir de momento. No próximo fim-de-semana estaremos lá novamente. Penso que teríamos uma boa luta com o [Felipe] Massa, certamente. Eu era mais rápido que ele até ao Safety-Car.

Julgo que lutaríamos com ele, mas isso não aconteceu e isso deixa-me verdadeiramente frustrado. Penso que seria fácil terminarmos com os dois carros nos pontos. É muito aborrecido. O carro estava a funcionar razoavelmente bem este fim-de-semana. É um circuito de alta velocidade e o próximo também. Vamos esperar ser fortes novamente. É sempre frustrante quando perdemos um bom resultado e foi isso que aconteceu hoje”.

Guenther Steiner (Team Principal)
“Penso que estamos muito satisfeitos por sairmos daqui com seis pontos. É uma pena que o Kevin tenha bloqueado os pneus no reinício, e tenha destruído os pneus. Mas, por outro lado, seis pontos – continuamos a marcar pontos. Abrimos a segunda metade da temporada com pontos, portanto, esperamos poder continuar a marcar pontos. Ambos os carros estiveram bem no que diz respeito a performance. Penso que podemos estar satisfeitos com isso”.