GP da Alemanha de F1 2016: Antevisão da Haas F1 Team

GP da Alemanha de F1 2016: Antevisão da Haas F1 Team

Com o GP da Alemanha, a oportunidade volta a saudar a Haas F1. A próxima corrida da equipa norte-americana é, evidentemente, a sua próxima chance para a Q3.

177

A beleza do desporto é que existem sempre novas oportunidades e, na eventualidade de uma oportunidade não dar frutos, outra oportunidade surge. O Automobilismo não é diferente e num Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 composto por vinte e uma corridas, cada Grande Prémio acena com novas chances.

A Haas F1 Team chegou às duas últimas corridas com expectativas elevadas, catalisadas por sessões de treinos-livres e qualificações com performances muito positivas. Mas quando a bandeirada de xadrez caiu no Grande Prémio da Grã-Bretanha e no Grande Prémio da Hungria a Haas F1 Team ficou desapontada. Os pilotos, Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez, terminaram fora dos pontos em ambas as provas, o que se seguiu ao melhor resultado de equipa alcançado no Grande Prémio da Áustria, onde Grosjean terminou no sétimo posto e Gutiérrez no décimo primeiro, apenas a um lugar dos pontos.

Com o Grande Prémio da Alemanha, a disputar no próximo dia 31 de Julho em Hockenheim, a oportunidade volta a saudar a Haas F1 Team. A próxima corrida da equipa norte-americana é, evidentemente, a sua próxima chance, e é uma oportunidade ambicionada dada a sua posição no calendário.

O Grande Prémio da Alemanha é a derradeira corrida antes das férias de Verão de três semanas, período durante o qual as equipas terão que fechar as suas fábricas durante catorze dias consecutivos. Isto significa que não pode existir trabalho no carro actual e qualquer desenvolvimento para carros do futuro. Apesar desta folga ser incrivelmente bem-vinda para uma competição que visita vinte e um países entre Março e Novembro, todos querem entrar em férias com um bom resultado que possa ser uma motivação para a parte final da temporada, um segmento de nove corridas que culminará com a última corrida em Abu Dhabi, a 27 de Novembro.

A Alemanha fornece a oportunidade. O circuito de Hockenheim, com 4,574 quilómetros e dezassete curvas, alberga a Fórmula 1 desde 1970, sendo a edição deste ano a trigésima quinta.

O traçado de Hockenheim de hoje é muito diferente daquele que a Fórmula 1 visitou em 1970. Desapareceram as longas rectas na floresta, consignadas à história devido ao redesenho da pista em 2002. O actual circuito, contudo, é ainda bastante rápido, com os pilotos a alcançarem velocidades superiores a 280Km/h, só na primeira secção. Os pilotos estão com o acelerador no máximo durante dois terços da volta, colocando sob um stress exorbitante os motores e o combustível que consumem.

A gestão de combustível é de máxima importância e, com a aplicação correcta, pode ser bem conseguida sem sacrificar os tempos por volta. Abordagens eficiente das curvas podem levar à poupança de combustível e a oportunidades de ultrapassagem, sobretudo no gancho da Curva 6 e na apertada Curva 8. A diferença de velocidades entre as rectas e as curvas oferece ao circuito de Hockenheim muito carácter; com o seu redesenho, surgiram inúmeros pontos de interesse para os espectadores.

Sendo a primeira equipa de Fórmula 1 norte-americana ao fim de trinta anos, a Haas F1 Team tem vindo a fortalecer-se ao longo da sua temporada de estreia. A formação somou vinte e oito pontos nas primeiras onze etapas do seu primeiro ano, estando actualmente no oitavo lugar do Campeonato de Construtores, a dez pontos da sétima classificada, a McLaren, e com vinte e dois de avanço face à nona classificada, a Renault.

Mas não é do interesse da Haas F1 Team manter-se parada. De facto só é aceitável manter o pé no acelerador, o que tanto Grosjean como Gutiérrez têm feito nas últimas qualificações. Cada um dos pilotos têm estado no limiar da Q3, onde apenas os dez pilotos podem lutar pela pole-position.

Este potencial, combinado com a oportunidade apresentada em Hockenheim à Haas F1 Team, é exactamente o que a equipa quer para a agarrar assim que as luzes dos semáforos se apagarem para dar início ao décimo segundo round do calendário da Fórmula 1.