Eurosurf 2017: Portugal brilha no 1º dia de competição em Klepp

Eurosurf 2017: Portugal brilha no 1º dia de competição em Klepp

Os quatro atletas que iniciaram hoje a competição qualificaram-se para a próxima ronda do quadro principal e três deles venceram mesmo o respectivo heat. A Selecção nacional arranca assim da melhor forma na luta pelo título europeu que lhe escapa desde 2011.

22

Tomás Fernandes - Eurosurf 2017 - 1º DiaDificilmente podia ter corrido melhor para Portugal o primeiro dia do Eurosurf 2017. Os quatro atletas que iniciaram hoje a competição qualificaram-se para a próxima ronda do quadro principal e três deles venceram mesmo o respectivo heat.

A Selecção nacional arranca assim da melhor forma na luta pelo título europeu que lhe escapa desde 2011.

Iniciou-se hoje o Eurosurf 2017, na cidade de Klepp, na Noruega, com a realização da primeira ronda da categoria de Surf Open. Apesar da chuva e frio que se fizeram sentir, foram várias centenas as pessoas que marcaram presença neste primeiro dia de competição, com destaque para o Príncipe Haakon da Noruega.

O primeiro atleta português a enfrentar as frias águas da praia de Bore foi Tomás Fernandes, no heat inaugural do Eurosurf 2017. O surfista da Ericeira dominou todo o heat e derrotou o galês Rhys Barfield, o irlandês Cillian Ryan e o atleta da casa, Christoffer Hartkopp.

Guilherme Fonseca enfrentou condições climatéricas mais adversas, com a chuva a juntar-se ao frio e a dificultar a prestação dos atletas. Contudo, o surfista português acabaria por conseguir adaptar-se e sair vencedor desta primeira ronda. Já Pedro Henrique, o mais cotado entre os surfistas portugueses, confirmou o favoritismo e venceu o seu heat com distinção, somando mesmo a segunda melhor pontuação do dia (13,8 pts).

Mais dificuldades enfrentou Eduardo Fernandes, que disputou a qualificação para a ronda seguinte até aos últimos segundos de prova com o talentoso galês Jay Quinn e o dinamarquês Oliver Hartkopp, terminando no segundo lugar e conseguindo o apuramento.

“As condições estiveram bastante difíceis, com ondas de meio metro ou menos. Mas os nossos atletas conseguiram adaptar-se, superaram as adversidades e alcançámos o objectivo: surfar bem e manter todos os atletas no quadro principal”, afirma David Raimundo, selcecionador
nacional.

Amanhã é a vez das surfistas femininas e dos atletas de bodyboard e longboard entrarem no mar. A previsão meteorológica e do estado do mar mantêm-se adversas, com prognóstico de chuva e ondas de baixo tamanho. Nada que belisque a ambição da Selecção nacional, que mantém intacto o objectivo de conquistar o título europeu.