Europeu de Estrada 2017: Portugal com corredoras em todas as categorias

Europeu de Estrada 2017: Portugal com corredoras em todas as categorias

A Equipa Portugal estará representada nas provas de fundo de elite, sub-23 e júniores femininas no Europeu de Estrada, que decorre na Dinamarca. É a primeira vez que Portugal tem corredoras em todas as categorias etárias de uma competição com a dimensão do Campeonato da Europa

47

Soraia Silva, Maria Martins e Daniela ReisA Equipa Portugal estará representada nas provas de fundo de elite, sub-23 e júniores femininas no Campeonato da Europa de Estrada, que decorre em Herning (Dinamarca). É a primeira vez que Portugal tem corredoras em todas as categorias etárias de uma competição com a dimensão do Campeonato da Europa.

Daniela Reis, a mais experiente, vai competir nos 120,6 quilómetros da corrida de elite, que se disputa a partir das 13h00 de Sábado. Soraia Silva, que esteve presente na edição anterior, ainda enquanto júnior, compete em 2017 na categoria de sub-23. Terá de completar 100,5 quilómetros, a partir das 11h00 de Sexta-feira.

A benjamim da comitiva feminina é a júnior Maria Martins, já duas vezes medalhada em Europeus de pista, que se estreia neste nível competitivo em estrada. Também compete na manhã de Sexta-feira, a partir das 8h00, tendo por diante 60,3 quilómetros.

“Era melhor se corrêssemos todas na mesma categoria, porque poderíamos fazer equipa, mas é muito bom que estejam presentes três femininas neste Campeonato da Europa. É muito importante para o ciclismo português. Finalmente, estamos a ver alguma evolução e miúdas a chegar mais longe. Fico muito satisfeita”, diz Daniela Reis, 24 anos, com presenças em Europeus e/ou Mundiais todos os anos desde 2014.

“Estou mais bem preparada e sinto-me mais à vontade do que em anos anteriores, porque as atletas que vão correr contra mim no Sábado são as mesmas que defronto ao longo de todo o ano. Mesmo sabendo que ainda não tenho nível para discutir as primeiras posições com as melhores, não tenho o receio de descolar à partida. Já sei que entrei naquele nível”, adianta Daniela Reis, que em 2017 tem feito as principais corridas do calendário internacional feminino ao serviço da equipa Lares-Waowdeals.

A corredora de elite deixa um conselho às companheiras mais jovens: “Boa colocação, muita cabeça e acreditar que são capazes”.

Soraia Silva e Maria Martins sabem as dificuldades que vão encontrar, mas estão motivadas para um bom desempenho.

“Estou consciente de que vai ser mais competitivo do que na pista, mas estou tranquila porque o trabalho está feito e foi bem feito. Resta-me dar o meu melhor e depois logo se vê o resultado. O percurso, plano, enquadra-se nas minhas características”, frisa Maria Martins.

Soraia Silva admite que a mudança de júnior para sub-23 “é a alteração de escalão mais significativa”.

“Estou no meu primeiro ano e tenho noção de que o caminho faz-se com calma. Também fiz o trabalho de preparação, embora com alguma dificuldade para poder conciliar o ciclismo e a universidade. Vou desfrutar e dar o meu melhor”, garante Soraia Silva.

A júnior e a sub-23 também valorizam o facto de haver três representantes femininas portuguesas neste Europeu.

“O ambiente é sempre diferente, há partilha e união”, revela Maria Martins. “Damos confiança umas às outras e isso ajuda a não ‘stressar’”, acrescenta Soraia Silva.