Europeu de Estrada 2017: Machado e Mendes tentam surpreender mas acabam no...

Europeu de Estrada 2017: Machado e Mendes tentam surpreender mas acabam no pelotão

Tiago Machado e José Mendes atacaram várias vezes para evitar uma chegada ao sprint, mas o pelotão terminou compacto a prova de fundo para elite do Europeu de Estrada, em Herning (Dinamarca), coroando o norueguês Alexander Kristoff como sucessor de Peter Sagan.

37

Equipa Portugal - Europeu de Estrada 2017Tiago Machado e José Mendes atacaram várias vezes para evitar uma chegada ao sprint, mas o pelotão terminou compacto a prova de fundo para elite do Campeonato da Europa, em Herning (Dinamarca), coroando o norueguês Alexander Kristoff como sucessor de Peter Sagan.

Os 241,2 quilómetros começaram lentos, deixando que se formasse uma fuga de três elementos que, sabia-se, não ficaria para a história da competição. Com cerca de metade da prova realizada, a Selecção italiana foi surpreendida numa ‘bordure’, ficando o chefe-de-fila, Elia Viviani, atrasado. As formações rivais aproveitaram para acelerar, acabando com a fuga existente e forçando os transalpinos a trabalhos forçados para se recolocarem.

O português Rafael Reis acabou por ser uma vítima colateral da guerra entre as Selecções mais apetrechadas. O palmelense tinha parado para satisfazer necessidades fisiológicas no momento da aceleração e, não tendo as melhores sensações, já não foi capaz de reentrar.

A corrida estava lançada e não parou até final. Sucederam-se as tentativas de fuga e a correspondente resposta das equipas com velocistas. Sem sprinters, Portugal sabia que a única possibilidade de um bom resultado passava por conseguir colocar um dos seus elementos numa fuga que surgisse já na parte final.

José Mendes e Tiago Machado tentaram várias vezes sair do pelotão, mas a resposta pronta do grupo principal gorou as possibilidades nacionais. Mais perto do sucesso esteve o norueguês, que saltou do pelotão a 6,5 quilómetros do final, liderou um grupo de três elementos do qual se isolou para ser alcançado já com a meta à vista, por força da perseguição movida pelos italianos.

O esforço de Edvald Boasson Hagen não foi em vão, pois a vitória acabou por sorrir ao compatriota Alexander Kristoff, após um duelo apertado com Elia Viviani, cujo resultado se discerniu com recurso ao ‘photo finish’. O terceiro foi o holandês Moreno Hofland.

Os portugueses chegaram integrados no pelotão, embora com diferenças de tempo para o vencedor, devido aos cortes provocados por uma queda violenta de alguns corredores na recta final. Tiago Machado foi o 35º, a 11 segundos, e José Mendes 69º, a 36 segundos.