Euro’2015: Portugal volta a falhar nas grandes penalidades e a Suécia é...

Euro’2015: Portugal volta a falhar nas grandes penalidades e a Suécia é campeã europeia

29

A Selecção sub-21 de Portugal perdeu, esta 3ª Feira, com a congénere da Suécia, por 5-4 (após desempate por pontapés da marca de grande penalidade), em jogo a contar para a Final do Campeonato da Europa da categoria, disputado na Eden Arena, em Praga (Rep. Checa).

Depois de 21 anos (10 campeonatos) sem estar presente no jogo decisivo, a Selecção Nacional tinha a grande oportunidade de “vingar” a derrota que a “geração de ouro” sofreu frente à Itália, em Junho de 2003.

Naquela altura, o “golo de ouro” ou “morte súbita” decidiu tudo e desta vez foi a “lotaria” das grandes penalidades a “esfumar” o sonho de jovens que certamente mereciam mais.

Portugal dominou grande parte do jogo, criou a primeira oportunidade de golo (remate à barra de Sérgio Oliveira, aos 7 minutos) e podia ter ido para o tempo de descanso a vencer por 2 ou 3 golos de diferença.

Na segunda parte, o seleccionador Rui Jorge ainda tentou injectar “sangue novo” (entradas de Iuri Medeiros e Gonçalo Paciência), mas os dois avançados também não conseguiram mudar o rumo dos acontecimentos, apesar de terem tido algumas oportunidades para inaugurar o marcador.

Até ao final do tempo regulamentar, Hakan Ericson pediu cabeça aos seus jogadores e a Suécia “congelou o jogo”, numa altura em que Portugal já denotava alguma fadiga física.

Sem Sérgio Oliveira (traído pelo desgaste), o “box-to-box” português, a Selecção Nacional teve dificuldades em ligar o sector defensivo com o sector atacante, situação bem aproveitada pela Suécia, que “arrastou” a partida até à “lotaria” dos penalties.

Como já se vem tornando “sina”, Portugal não conseguiu quebrar a “malapata” das grande penalidades e Carlgren foi o mais feliz, ao defender o último remate português (William Carvalho), depois de cada Selecção ter falhado uma transformação.

A Selecção sub-21 da Suécia sucede assim à congénere da Espanha, que em 2013 (em Israel) venceu a competição sob as ordens de Julen Lopetegui, o actual treinador principal do FC Porto.