Escalada: Os melhores especialistas de Boulder frente a frente na etapa decisiva

Escalada: Os melhores especialistas de Boulder frente a frente na etapa decisiva

Os melhores especialistas da escalada na vertente de Boulder estarão frente a frente na segunda e decisiva etapa da taça de Portugal da especialidade, Sábado e Domingo (dia exclusivamente dedicado às camadas jovens), em Odivelas, no rocódromo Vertical Wall.

26

Rafaela Bastos - Taça de Boulder 2017 - LisboaOs melhores especialistas da escalada na vertente de Boulder estarão frente a frente na segunda e decisiva etapa da taça de Portugal da especialidade, Sábado e Domingo (dia exclusivamente dedicado às camadas jovens), em Odivelas, no rocódromo Vertical Wall.

Na primeira mão de séniores, dois atletas estrangeiros foram os vencedores da prova, nomeadamente, o brasileiro Thiago Veloso e a norte-americana Briand Monteiro, ambos não elegíveis ao título pela nacionalidade e por não estarem federados, pelo que Rafaela Bastos e o jovem Vasco Campos a arrecadarem a vantagem na corrida a campeões da Taça.

Rafaela, de 28 anos, não irá competir desta vez, por estar ligada à organização do evento enquanto ‘route setter’ [técnico que monta as vias de escalada], pelo que Briand Monteiro aparece como favorita, embora com a presença da portuguesa de origem ucraniana Olga Fedyuk a baralhar as contas e a deixar a promessa de uma prova feminina até mais interessante que a masculina.

Pelo menos, é essa a opinião de Rafaela Bastos, que embora fora das contas dos vencedores, tem uma perspectiva privilegiada.

“Vai ser uma prova da Taça muito interessante; a Briand é muito forte, mas a presença da Olga vai complicar tudo. Penso que vai ser um excelente espectáculo e muito interessante de seguir. Como organizadora e ‘route setter’ espero apenas que haja momentos agradáveis para competidores e público e que consiga contribuir para apurar o melhor escalador, e com espectáculo”.

Entre os homens, André Neres, considerado o melhor escalador nacional e o ‘ponta de lança’ no sonho de uma presença olímpica em Tóquio 2020 por parte da Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal (FCMP), apesar do terceiro lugar na primeira mão, reclama o favoritismo, alicerçado na maior experiência e na condição física melhorada após uma primeira passagem pela Taça onde não estava, assumidamente, nas melhores condições.

“Espero não ‘meter a pata na poça’ como na última prova, onde me apresentei em má forma, sem ter descansado o suficiente para a ocasião. Espero ganhar, embora o Boulder não seja a minha especialidade favorita. Contudo, há quem ache que até é aquela em que tenho mais potencial, como o Seleccionador Nacional Frederico Silva”, afirma Neres.

Com 31 anos e várias presenças em Taças do Mundo, Europeus e Mundiais, Neres é dos escaladores portugueses com mais experiência internacional. Então como vê a vitória de atletas estrangeiros nesta prova, assim como algumas surpresas júniores?

“Parece-me muito positiva a presença destes atletas internacionais, pois atesta a qualidade e atractividade das nossas provas. Quanto ao facto de vermos alguns jovens a ‘comer’ lugares aos mais velhos, isto prende-se com a qualidade do trabalho de formação que vem a ser desenvolvido e que só tem de nos deixar satisfeitos e esperançados para o futuro”.