CNVT 2016: Por questões técnicas, a Moura Laser não corre em Portimão

CNVT 2016: Por questões técnicas, a Moura Laser não corre em Portimão

A equipa portuguesa estreou em Vila Real o Opel Astra TCR, que mostrou ser um carro de enorme potencial, mas que está ainda em fase de desenvolvimento

109

A Ventilações Moura Laser não tomará parte na terceira ronda do Campeonato Nacional de Velocidade de Turismo (CNVT), que este fim-de-semana se realiza no Autódromo Internacional do Algarve, decidindo dar mais tempo à Opel Motorsport para resolver algumas questões técnicas que se fizeram sentir em Vila Real.

A equipa portuguesa estreou na prova transmontana o Opel Astra TCR, que mostrou ser um carro de enorme potencial, mas que está ainda em fase de desenvolvimento, evidenciando capacidades ao nível de chassis notáveis.

Tanto João Miguel Baptista como Gustavo Moura foram evidenciando uma progressão assinalável ao automóvel germânico, notando-se uma adaptação crescente ao carro que estrearam no Circuito Internacional de Vila Real.

Contudo, algumas insistentes questões técnicas acabaram por afligir o duo da equipa Ventilações Moura Laser, o que acabou por obrigar João Miguel Baptista ao abandono na primeira corrida do evento.

“É notório que o Opel Astra TCR tem um enorme potencial, pudemos verificar isso mesmo ao longo de todo o fim-de-semana, mas está ainda em fase de desenvolvimento, o que acabou por condicionar o normal desenrolar da ronda de Vila Real da Ventilações Moura Laser, dado que é natural que surjam pequenas contrariedades. No entanto, foi importante termos contactado com o carro, apesar de não ser ainda a sua versão final”, sublinhou João Miguel Baptista.

Dado a colaboração próxima existente entre a Ventilações Moura Laser e a Opel Motorsport/Kissling Motorsport, as duas entidades decidiram não fazer parte da ronda do Autódromo Internacional do Algarve (AIA) do Campeonato Nacional de Velocidade de Turismo (CNVT) para que todo o foco esteja concentrado no desenvolvimento do carro, que esta semana teve já uma sessão de testes em Nurburgring.

“Sabíamos que estávamos ainda numa fase de desenvolvimento do Opel Astra, mas era importante termos uma ideia clara do seu potencial, o que nos levou a participar na etapa de Vila Real. Contudo, juntamente com a Opel Motorsport e a Kissling Motorsport concluímos que é mais vantajoso não nos deslocarmos ao Algarve e, dessa forma, trabalhar para resolver as dificuldades técnicas que sofremos nas provas de Trás-os-Montes”, afirmou Gustavo Moura.

PARTILHAR