CNV 2016 (Braga): Resumo e classificações por categoria

CNV 2016 (Braga): Resumo e classificações por categoria

Com um total de 55 pilotos, número que não acontecia nesta pista desde 2014, todos enfrentaram temperaturas bastante elevadas, que chegaram a 40° Celsius

230

Cumpridos todos os requisitos em termos de segurança e condições de utilização do circuito para pilotos e equipas o Campeonato Nacional de Velocidade esteve no passado fim-de-semana no circuito minhoto de Braga, para aquela que foi a primeira visita do ano ao curto e exigente traçado do Vasco Sameiro com os seus 3.020 metros de perímetro.

Com um total de 55 pilotos em pista, número que não acontecia nesta pista desde 2014, todos enfrentaram igualmente temperaturas bastante elevadas, que chegaram a rondar os 40° Celsius, tornando ainda mais exigente a condução por força de um mais elevado desgaste físico a que todos foram obrigados.

Num regresso ao traçado mais a norte de Portugal muito saudado pelos pilotos, o Clube Automóvel do Minho levou pela 67ª vez no seu circuito uma corrida de motos e foram muitos os momentos quentes que se viveram em jornada de intenso calor. Fruto do seu perímetro mais curto, o circuito de Braga tem sempre corridas com um maior número de voltas em todas as categorias e com o seu desenho bastante exigente do ponto de vista técnico os pilotos enfrentaram uma corrida muito dura, como já era previsto.

Na classe maior do campeonato foi Tiago Magalhães quem assinou a terceiro vitória consecutiva da temporada, seguido mais uma vez por Rui Reigoto, um dos especialistas do circuito minhoto, que cruzou a linha de meta com mais de oito segundos de diferença para o campeão nacional após as 18 voltas realizadas. Destaque para o excelente terceiro lugar de Romeu Leite, que se estreou em grande forma na classe maior do campeonato nacional, deixando atrás de si uma animada luta pelo quarto lugar que envolveu um trio de pilotos: Mário Alves, Pedro Monteiro e Tiago Lopes, que fecharam a corrida nesta mesma ordem, numa corrida onde Ivo Lopes esteve intocável nas Superstock 600, vencendo mais uma vez na categoria.

Na Taça Luís Carreira – ENI, que como é hábito realizaram duas corridas, ambas com 11 voltas, foram os mesmos protagonistas que subiram ao degrau mais alto do pódio em qualquer um dos duelos nas três classes. Tony Costa – a jogar em casa com a sua Ducati – mostrou que é também ele um especialista deste traçado e venceu em ambas as corridas na geral e na classe SBK, o mesmo se passando com João Curva na Open e Luís Teixeira nas SS, este com mais trabalho entre mãos na primeira corrida, ao cruzar a linha de meta com apenas sete décimas de segundo de vantagem face a João Vieira.

Os homens da ZCup, que competem na mesma grelha de partida, alinharam apenas para a primeira corrida e das três motos em pista foi Miguel Sousa quem venceu.

Vitórias ainda para Paulo Leite na Pré-Moto3 na frente de João Marinho e Alexandre Mateiro, com Luís Pinto a ser o melhor em Moto4, face a Diogo Regadas e Patrick Costa. Nas Clássicas foi Bernardo Villar o melhor na classificação geral final, sendo igualmente vencedor na classe C3. Joaquim Boavida venceu em C2 e Fernando Pedrinho colocou a sua BMW na primeira posição da C1.

O campeonato cumpre agora a sua habitual paragem de Verão, regressando no circuito do Estoril no arranque do mês de Setembro para as suas derradeiras três provas da temporada.

Classificações finais

Superbike
1º Tiago Magalhães – Kawasaki com 18 voltas
2º Rui Reigoto – Yamaha a 8.036s
3º Romeu Leite – Yamaha a 25.139s
4º Pedro Monteiro – Yamaha a 33.218s
5º Mário Alves – Yamaha a 33.847s

Superstock 600
1º Ivo Lopes – Kawasaki com 18 voltas
2º Nelson Rosa – Kawasaki a 1m06.675s
3º Alex Costa – Yamaha a 1 volta

Taça Luís Carreira – ENI (SBK – Corrida 1)
1º Tony Costa – Ducati com 11 voltas
2º João Ribeiro – Suzuki a 14.694s
3º Eduardo Cabreira – Aprilia a 23.494s
4º António Maximiano – Suzuki a 29.671s
5º João Trancoso – Suzuki a 38.771s

Taça Luís Carreira – ENI (Open – Corrida 1)
1º João Curva – Yamaha com 11 voltas
2º Pedro Flores – Kawasaki a 29.611s
3º Jorge Afonso – Yamaha a 42.903s
4º João Cunha – Honda a 54.793s

Taça Luís Carreira – ENI (SS – Corrida 1)
1º Luís Teixeira – Yamaha com 11 voltas
2º João Vieira – Honda a 0.708s
3º André Capitão – Honda a 10.925s
4º Mário Freire – Honda a 1 volta
5º António Reis – Honda a 1 volta

Taça Luís Carreira – ENI (SBK – Corrida 2)
1º Tony Costa – Ducati com 11 voltas
2º João Ribeiro – Suzuki a 15.993s
3º Eduardo Cabreira – Aprilia a 20.230s
4º António Maximiano – Suzuki a 29.588s
5º João Trancoso – Suzuki a 39.383s

Taça Luís Carreira – ENI (Open – Corrida 2)
1º João Curva – Yamaha com 11 voltas
2º Pedro Flores – Kawasaki a 24.235s
3º Jorge Afonso – Yamaha a 34.106s
4º João Cunha – Honda a 58.336s

Taça Luís Carreira – ENI (SS – Corrida 2)
1º Luís Teixeira – Yamaha com 11 voltas
2º André Capitão – Honda a 1 volta
3º Mário Freire – Honda a 1 volta
4º António Reis – Honda a 1 volta
5º Ricardo Guerra – Honda a 1 volta

ZCUP – Corrida 1
1º Miguel Sousa – Kawasaki com 10 voltas
2º Paulo Vicente/Ricardo Duarte – Kawasaki a 25.602s
3º Joaquim Boavida – Kawasaki a 1 volta

Pre Moto3
1º Paulo Leite – Honda com 14 voltas
2º João Marinho – Beon a 21.746s
3º Alexandre Mateiro – MIR a 1 volta

Moto4
1º Luís Pinto – Yamaha com 13 voltas
2º Diogo Regadas – Derbi a 16.532s
3º Patrick Costa – Minarelli a 1 volta
4º Nuno Ribeiro – Conti a 1 volta
5º Marco Mateiro – Conti a 1 volta

Clássicas
1º Bernardo Villar – Honda com 12 voltas
2º Rodolfo Sampaio – Honda a 1m12.735s
3º Joaquim Boavida – Moto Guzzi a 1m13.027s
4º Fernando Sousa – Honda a 1m14.999s
5º Fernando Pedrinho – BMW a 1m32.604s