Biografias: Flávia Delarolli

Biografias: Flávia Delarolli

237

Flávia Renata Delarolli Cazziolato, mais conhecida como Flávia Delaroli, nasceu a 28 de Novembro de 1983, na cidade brasileira de Ipatinga.

Conhecida como uma das musas da natação brasileira, devido à sua beleza física, a jovem nadadora começou a sua carreira aos 5 anos, influenciada pelos irmãos mais velhos, que já participavam em provas no Brasil e na América do Sul.

Flávia começou a treinar na Associação Desportiva e Recreativa USIPA, e foi precisamente na piscina desse clube que se estreou em provas oficiais. No entanto, a experiência não foi das mais agradáveis, como explica a própria nadadora: “Era um campeonato regional com poucos participantes e também pouco público. Como era pequena não me lembro do resultado, pois o que queria era nadar o mais rápido possível. Não havia pódio, medalhas, bandeiras ou hinos. Era tudo feito à pressa e bastante mal organizado. A única coisa boa foi feita pelo meu pai, que me comprou uma medalha, que ainda hoje guardo religiosamente, e levou a família toda para jantar numa pizaria. Comi tanta piza, que hoje já não consigo olhar para esse tipo de comida“.

Aos 15 anos, Flávia saiu do Brasil e foi viver para casa de um familiar nos Estados Unidos, passando a representar a secção norte-americana do Flamengo. Mas as saudades do Brasil e da sua família mais próxima começaram a apertar e a nadadora resolveu voltar para o seu país natal, em 2001. A atleta mineira foi viver para o estado de São Paulo e ingressou no Desportivo de Pinheiros, clube que ainda representa na actualidade.

Em 2004, Flávia alcançou o estrelato internacional ao conseguir bons resultados nos Jogos Olímpicos de Atenas. Na prova dos 50 metros livres, a mineira e a compatriota Joana Maranhão apuraram-se para a Final Olímpica e quebraram um jejum do Brasil, que já durava há 56 anos.

Após os Jogos Olímpicos, Delaroli continuou a fazer bons resultados e excelentes marcas, tornando-se na primeira brasileira a conquistar a medalha de Ouro, na prova dos 50 metros livres da etapa da Taça do Mundo de Natação que se disputou no Rio de Janeiro.

Em 2007, Flávia conquistou a medalha de Bronze na prova dos 100 metros livre dos Jogos Pan-Americanos, ficando logo atrás de Rebeca Gusmão, e terminou a competição dos 50 metros livres na 4ª posição. Na estafeta 4×100 metros, o Brasil conseguiu a medalha de Prata graças às exibições de Flávia Delaroli, Flávia Jesus, Rebeca Gusmão e Tatiana Lemos.

Nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, Flávia não conseguiu apurar-se para a Final da prova dos 50 metros livres, acabando num modesto 22º lugar, quando era uma das grandes esperanças do Brasil na conquista de uma medalha.

Em 2009, a nadadora brasileira bateu o recorde do seu país, ao nadar os 50 metros livres em apenas 25s06cs, no Meeting Internacional de Palhoça, disputado no Estado de Santa Catarina.

Fora das piscinas, Flávia Delaroli gosta de ver filmes, dormir, jogar computador, ler, fazer tricô, jogar às cartas, fazer sudokus, pintar e ir ao café com a família e os amigos.

Flávia é casada com Caio Cazziolato, ex-jogador de Basquetebol, e adora um urso de peluche que o marido lhe ofereceu, pois “ao apertar a mão do bonequinho, ouve-se uma frase amorosa do meu maridão“, explicou a nadadora.

Sobre o segredo da sua beleza, Delaroli não é muito específica, dizendo apenas que “sou assim por natureza e trato bem do meu corpo; quando vou para as provas levo sempre na mala um monte de cremes para todas as partes do corpo e uma mala de primeiros-socorros, já que nunca se sabe o que pode vir a acontecer”.

Resultados mais importantes:

Piscina Olímpica (50 metros):

Recordista Brasileira dos 50m Livres: 25s06cs, obtidos a 12/12/2008
Recordista Sul-Americana na estafeta 4x100m Livres: 3m42s85cs, obtidos a 09/08/2008

Piscina Semi-Olímpica (25 metros):

Recordista Sul-Americana dos 50m Livres: 24s36cs, obtidos a 16/12/2005
Recordista Sul-Americana na estafeta 4x100m Livres: 3m41s52cs, obtidos a 10/10/2004
Recordista Sul-Americana na estafeta 4x100m Estilos: 4m09s26cs, obtidos a 11/09/2004

Jornalista: João Miguel Pereira

PARTILHAR