Beto Monteiro em busca da regularidade na Fórmula Truck

Beto Monteiro em busca da regularidade na Fórmula Truck

15

Terceiro colocado no Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck, o piloto Beto Monteiro acredita que terá muitas dificuldades na próxima etapa da categoria, dia 17 de Maio em Londrina. A maior preocupação é que o uso do restritor de potência – obrigatório para os três primeiros colocados na classificação geral – atrapalhe mais ainda o seu camião Iveco.

Beto Monteiro - Fórmula Truck BrasilNo entanto, por conhecer bem os 3.145 metros do traçado da cidade do Oeste paranaense, ele espera outro bom resultado para se manter entre os primeiros colocados. Beto foi sexto em Caruaru e quinto em Campo Grande.

Acho que terei mais dificuldades ainda, pois o meu motor é o único na categoria que tem litragem maior [14 litros] e já sou penalizado. Com o restritor serei mais ainda. No entanto, prefiro este restritor, pois é muito bom estar entre os três primeiros, apesar de, na minha opinião, esta não ser uma situação real na pista“, disse Beto Monteiro.

Para Beto Monteiro, por estar com um camião novo, que ainda precisa de ser desenvolvido, o que só acontece com muito treino e muito trabalho, o resultado do campeonato não mostra a real situação das pistas. Ele acredita que outras marcas estão à frente do seu Iveco; pelo menos, por enquanto.

O Felipe Giaffone tem um camião muito bom e está em quinto lugar, o que foge da realidade que a gente vê na pista. O Totti e ele deveriam estar em primeiro e segundo, depois viriam os camiões Mercedes-Benz e depois o Ford com o Fogaça. Só aí nós entraríamos. Mesmo com o restritor no meu camião, espero que essa diferença seja reduzida em Londrina“, imagina o campeão sul-americano de 2013, temporada em que conquistou o seu segundo título nacional, já que o primeiro foi em 2004.

Assim como todos os outros pilotos que se posicionaram entre os três primeiros colocados na segunda etapa do ano, disputada no último fim-de-semana em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Beto Monteiro sabe que a sua equipa terá de superar o problema do excesso de fumaça, provocado justamente pela redução da entrada de ar no motor, o que reduz a queima do óleo diesel e provoca mais fumaça preta.

Aliás, esse item previsto no regulamento foi o motivo de três desclassificações, justamente no treino que definiu o grid de largada em Campo Grande. Na capital do Mato Grosso do Sul, Leandro Totti terminou como o mais rápido, mas acabou punido pelo excesso de fumaça e caiu para sétimo lugar na largada. André Marques, outro penalizado, caiu para oitavo, um posto à frente de Beto Monteiro, o nono, e que também apresentou a mesma irregularidade.

O maior problema do restritor é justamente a fumaça. Se conseguirmos uma fumaça coerente, ou seja, dentro do regulamento, estaremos com boas chances de ficar entre os cinco primeiros da corrida e manter-nos na briga pelo título até ao final“.

Beto Monteiro gosta do traçado de Londrina, que ele considera difícil. Mas por treinar bastante na pista paranaense, ele tem lá as suas manhas para completar os 3.145 metros da mais veloz maneira possível.

É uma pista bem travada e que exige que a gente esteja sempre bem posicionado, curva após curva. Se errar na sequência, não dá para recuperar. Por exigir muita técnica, é uma pista que eu gosto muito e se conseguir voltar ao pódio manterei a regularidade que é suficiente para continuar na briga pelo título até ao final do ano. Na Truck é preciso constância. Muitas vezes nem é necessário a vitória para chegar com chances na última prova do ano, quando se vai para o tudo ou nada“, analisa Beto.