Benfica

Campeão em título é o primeiro grande projecto de Transformação Digital no Desporto, para a Microsoft Portugal. SL Benfica quer ser o clube número 1 no país com tecnologia de ponta para análise de performance e rendimento dos atletas. Laboratório do clube, que corre tecnologia Microsoft, inclui machine learning e análise preditiva de dados para antecipar e evitar lesões.

No Caixa Futebol Campus, no Seixal, quase todos os aspectos da vida dos jogadores são monitorizados: desde quantas horas dormem – e a qualidade do sono -, à alimentação que fazem e como treinam, mas também quão rápido correm ou recuperam e ainda qual é o estado psicológico e anímico dos jogadores. Todos estes aspectos são controlados pelo Laboratório de ‘data science’ do Benfica, suportado em tecnologia Microsoft. Este projecto faz do campeão de futebol em título o primeiro grande projecto de Transformação Digital no desporto, para a Microsoft Portugal.

Através das soluções da tecnológica, os cientistas trabalham os dados em bruto e usam-nos para optimizar a resposta desportiva no relvado, definem planos de treino personalizados e previnem lesões.

“Através do uso de tecnologias de machine learning e análise preditiva, podemos aprender que informação nos vai levar ao sucesso. Os jogadores podem usar esta aprendizagem para melhorar a sua performance e evoluir de forma consistente”, refere Bruno Mendes, responsável pelo laboratório do Benfica, em declarações à revista Wired, que realizou um extenso trabalho sobre a academia do Sport Lisboa e Benfica.

Domingos Soares de Oliveira, CEO do SL Benfica foi o propulsionador do projecto, cuja escolha de tecnologia recaiu sobre a Microsoft, que já conduziu projectos similares em gigantes como o Real Madrid.

“A nossa abordagem pauta-se por encontrar o talento certo, na altura exacta, mas acreditamos que a tecnologia e a inovação são aliados que nos permitem executar melhor este plano”, refere Domingo Soares de Oliveira à mesma publicação.

João Copeto, CIO do SL Benfica, lembra que há cinco anos o clube usava ‘data centres’ e servidores próprios, mas o clube da Luz optou pelo Microsoft Azure, porque este é “muito poderoso”, considera o especialista.

“Todos os clubes procuram modelos preditivos. Temos excelentes modelos para avaliar o stress ou a fadiga dos jogadores, mas com ‘machine learning’ podemos ir mais longe nesta análise”, refere o responsável.

Steve Fox, Director Geral de Engenharia da Microsoft, é um dos responsáveis do projecto, que criou uma plataforma de performance de equipas e jogadores, que permite aos cientistas canalizar todos os dados para um único local. As equipas utilizam depois ferramentas como o Microsoft Azure e Power BI para ter um ‘raio-X’ dos atletas.

Além do projecto para a área da optimização do rendimento dos atletas, a Microsoft tem actualmente com o Sport Lisboa e Benfica outras parcerias na área do ‘fan engagement’ – projectos direcionados aos adeptos e massa associativa –, e na área da Transformação Digital.






PARTILHAR