Associação Naval de Lisboa distinguida pelo Presidente da República durante desfile no...

Associação Naval de Lisboa distinguida pelo Presidente da República durante desfile no Tejo

Com 300 barcos no Tejo, Lisboa viveu um dos maiores Desfiles Náuticos de que há memória, comemorando os 160 anos da Associação Naval de Lisboa

61

Com 300 barcos a remos, à vela e a motor no Tejo, Lisboa viveu no passado Domingo um dos maiores Desfiles Náuticos de que há memória. Um momento que encerrou as comemorações dos 160 anos da Associação Naval de Lisboa (ANL). O mais simbólico presente de aniversário foi entregue pelo Presidente da República: o título de membro honorário da Ordem do Infante D. Henrique. Nesta sessão, Marcelo Rebelo de Sousa recebeu o diploma de Presidente Honorário do clube.

A Associação Naval de Lisboa encerrou (a 30 de Abril) as comemorações dos seus 160 anos, com um Desfile Náutico que reuniu no Tejo mais de 300 barcos de todos os tipos – a remos, à vela e a motor. Com cerca de mil praticantes na água e milhares de espectadores nas margens do rio entre Alcântara e a Torre de Belém, este foi um momento que deixou uma forte marca na actualidade da cidade e do país.

No remo, destacaram-se os históricos barcos da classe Yolle, que são o pilar deste desporto no Tejo há quase 200 anos. Na vela, a escala começava nos Optimist de formação, passando pelas míticas Canoas e Fragatas da Marinha do Tejo, e culminando com o antigo bacalhoeiro Creoula – actualmente um dos navios de treino de mar para civis.

O evento contou com a presença de inúmeras personalidades da sociedade portuguesa, com especial destaque para o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e para o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina. Antes do desfile houve tempo para uma visita à Secção de Remo da Associação Naval de Lisboa, onde os convidados conheceram as instalações e assistiram ao embarque das tripulações.

Já no rio, um dos momentos altos do desfile aconteceu simbolicamente em frente ao Padrão dos Descobrimentos, com os 21 tiros de salva disparados do navio patrulha Figueira da Foz. Mas a festa não se limitou à água, já que do céu vieram algumas surpresas. Primeiro o show aéreo do Pitts Special de Luís Garção e depois um sobrevoo de um F16 da Força Aérea Portuguesa.

Após o Desfile Náutico no Tejo, o evento de encerramento das comemorações dos 160 anos da Associação Naval de Lisboa ficou concluído com uma sessão solene na Sede e Secção de Vela do clube, onde o Presidente da República começou por descerrar uma placa alusiva à sua visita. Pouco depois fazia-se história, com Marcelo Rebelo de Sousa a atribuir ao Clube o título de membro honorário da Ordem do Infante D. Henrique, destacando a sua “actividade notável, onde foi pioneira e lançou as primeiras grandes iniciativas de desporto e de recreio naval no Tejo”.

“Procurei na história das últimas décadas da Associação Naval de Lisboa e encontrei várias visitas de Chefes de Estado, mas só encontrei um a galardoar a instituição – o Presidente Bernardino Machado. É altura de galardoar uma instituição pioneira com 160 anos e por isso o Presidente da República decidiu condecorar a Associação Naval de Lisboa com a Ordem do Infante D. Henrique, que tem muito a ver com o mar, com a vossa e a nossa vocação marítima”, destacou Marcelo Rebelo de Sousa.

Já o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, felicitou o clube pela “longevidade de que poucos se podem orgulhar”, e que se explica pela “ligação afectiva que os portugueses têm com o mar”.

O Comodoro, André Bettencourt, entregou na altura o diploma de Presidente Honorário da Associação Naval de Lisboa a Marcelo Rebelo de Sousa.

“Esta é uma tradição que vem da nossa fundação, o Chefe de Estado sempre foi o nosso Presidente Honorário”.

Quanto ao balanço destas comemorações, o Comodoro mostrou-se satisfeito.

“Uma vez mais marcámos o ritmo na náutica portuguesa e mostrámos no Tejo todo o potencial que existe. Agora vamos continuar a trabalhar para melhorar as nossas condições – o mais premente são as instalações – para poder no futuro receber mais praticantes do remo e da vela”.

Fundado a 30 de Abril de 1856 com o nome ‘Real Associação Naval’, é o clube náutico mais antigo da Península Ibérica e um dos mais antigos da Europa. De acordo com os Estatutos assinados pelo Rei D. Pedro V, o objectivo do clube passa por “animar a construção e navegação de iates ou barcos de recreio e promover o divertimento das regatas em Portugal”.

O clube tem dado ao longo dos anos um enorme contributo para o desporto português, formando sucessivas gerações de remadores e velejadores, com um total de 64 atletas presentes em diferentes edições dos Jogos Olímpicos – que resultaram em duas medalhas de Bronze e duas de Prata.

O Desfile dos 160 anos da Associação Naval de Lisboa contou com os apoios da Câmara Municipal de Lisboa, Turismo de Lisboa, Porto de Lisboa, Marinha Portuguesa e da Força Aérea Portuguesa.