Apuramento para o Mundial’2018: Portugal vence Hungria e garante um dos dois...

Apuramento para o Mundial’2018: Portugal vence Hungria e garante um dos dois primeiros lugares

Portugal sai assim da Hungria com uma vitória saborosa, que para além de continuar a alimentar o sonho do apuramento directo, garante desde já o "mal menor", ou seja, a presença no "play-off".

39

Fase de Qualificação para o Euro'2016A Selecção Nacional venceu a sua congénere da Hungria, por 1-0, em jogo a contar para a 8ª Jornada do Grupo B da Fase de Apuramento para o Mundial’2018, disputado no Groupama Arena, em Budapeste.

Sabendo que tinha de ganhar para continuar a sonhar com a entrada directa no Mundial, a formação portuguesa entrou muito forte e poderia ter feito 2/3 golos, ou até mais, como referiu o seleccionador Fernando Santos.

No entanto, a lesão de Fábio Coentrão obrigou o técnico português a mexer ainda antes da meia-hora, e pouco depois Pepe apareceu deitado no chão a sangrar abundantemente do sobrolho.

O árbitro interrompeu de imediato a partida, viu como estava o estado de saúde do jogador português, chamou a equipa médica, consultou o auxiliar e mostra o cartão vermelho a Priskin, que na repetição televisiva percebe-se que agride o central do .

A jogar contra 10 elementos, Portugal poderia partir para uma estrondosa exibição, mas em vez disso “entrou” no jogo quezilento dos húngaros, que impunham o seu físico em todas as jogadas; quando só o físico não chegava, as entradas a roçar a agressão eram uma constante (João Moutinho e Cedric Soares sentiram no rosto a dureza dos jogadores magiares).

Ao intervalo, o nulo não era justo, pois Portugal tinha sido amplamente superior e merecia estar a vencer, pelo menos, pela diferença mínima, mas se fossem 2 ou 3 golos de diferença também não escandalizaria ninguém.

Na segunda parte, Portugal voltou a entrar forte mas desta vez conseguiu chegar à vantagem, com um golo de André Silva, que aproveitou da melhor maneira um grande cruzamento de Cristiano Ronaldo.

A partir daqui, a dúvida instalou-se na cabeça dos jogadores portugueses, que por um lado queriam chegar rapidamente ao 0-2, mas também estavam com medo de sofrer o empate, que poderia comprometer a qualificação.

Assim, os atletas portugueses começaram a aplicar a “táctica das marés” (ora iam para a frente, ora vinham para trás) e o jogo passou a ser muito mau, pois os húngaros voltavam a apostar nas entradas mais duras (que lhe valeram alguns cartões amarelos).

Como já se esperava, não aconteceu mais nada até ao derradeiro apito do árbitro e Portugal sai da Hungria com uma vitória saborosa, que para além de continuar a alimentar o sonho do apuramento directo, garante desde já o “mal menor”, ou seja, a presença no “play-off”.

Em Outubro, a viagem a Andorra e a recepção à Suíça irão decidir o futuro da Selecção Nacional, que tem Cristiano Ronaldo em risco de exclusão para o decisivo embate com os helvéticos.