Africa Eco Race 2017: Albufeira Racing Team estreia-se nas dunas

Africa Eco Race 2017: Albufeira Racing Team estreia-se nas dunas

Os pilotos da Albufeira Racing Team enfrentaram as primeiras dificuldades sérias, com a chegada das primeiras dunas e maior exigência ao nível da navegação.

42

Se os curtos 85 quilómetros da especial de abertura da Africa Eco Race 2017 foram um aperitivo para a grande maratona africana, hoje a caravana e os pilotos da Albufeira Racing Team enfrentaram as primeiras dificuldades sérias com a chegada das primeiras dunas e maior exigência ao nível da navegação.

Num dia com 370 quilómetros de especial – que ligou Doumaine Moulay a Tagounite – eram esperadas dificuldades e possíveis alterações na classificação, por força da maior extensão da jornada competitiva, a chegada das primeiras dunas, entre elas a conhecida passagem por Merzouga, e também a maior exigência do ponto de vista de navegação que era solicitado a todas as equipas neste segundo dos cinco dias em solo marroquino.

Arrancando entre os dez melhores, a dupla algarvia fechou a longa jornada a perder algumas posições, com Didier Frederico a fechar o dia na 15ª posição e Alexandre Azinhais no 16º lugar, o que os levou a descer igualmente na classificação geral para as mesmas posições e precisamente pela mesma ordem.

“Foi um dia muito longo. Estivemos quase sete horas na especial e a fase inicial foi a mais complicada para nós e onde perdemos muito terreno para os primeiros com a passagem pelas primeiras dunas. Depois disso, e no meio do pelotão dos automóveis e dos camiões, era muito complicado arriscar andar mais depressa e a opção foi mesmo chegar em segurança do final da especial. Perdemos algumas posições mas nada de grave face aos nossos objectivos e às diferenças muito reduzidas entre os que lutam por um lugar nos dez primeiros”, comentou Didier Frederico na chegada ao ‘bivouac’.

Amanhã os dois pilotos de Albufeira enfrentam a terceira etapa da Africa Eco Race 2017 com ligação de Tagounite a Assa. Será novamente um dia bastante longo, com uma especial com mais de 450 quilómetros marcados pela passagem do Erg Chegaga e também do Oued Draa, passagens emblemáticas das provas em solo marroquino.